Sindicato considera "escandaloso" haver um milhão de portugueses sem médico

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) considerou hoje importantes todas as iniciativas para colocar mais clínicos no sistema, afirmando que há “um escandaloso número de um milhão de utentes sem médico” de família.
créditos: Lusa

Em declarações à agência Lusa, o presidente do Sindicato dos Médicos, Jorge Paulo Roque da Cunha, comentou desta forma a informação avançada na quinta-feira pela Administração Central do Sistema de Saúde, segundo a qual foi concluído o processo de avaliação de 51 novos médicos de família, que serão distribuídos por 23 agrupamentos dos centros de saúde de todo o país.

Os concursos, para o SIM, são importantes para a consolidação da carreira, quer ao nível da contratação, quer da progressão profissional.

O dirigente do SIM considerou que a medida agora anunciada “mitiga a grande falta de recursos médicos”, que resultou das restrições ao acesso à formação académica na última década e meia.

“O princípio que foi retomado há três anos, de contratação médica por concurso, é fundamental para a solidificação da carreira médica, defendeu.

Roque da Cunha salientou que, “além dos concursos que existem para a saída de especialistas (dois por ano), é também importante os concursos a que pode concorrer toda a gente, já que, não havendo restrições, haverá maior possibilidade de mobilidade dos próprios médicos”.

Contactada pela Lusa, a Federação Nacional dos Médicos (FNAM) indicou que a estrutura terá hoje à tarde uma reunião, na qual este tema será abordado, pelo que remeteu para depois uma posição.

Segundo a informação oficial divulgada na quinta-feira, a entrada em funções destes profissionais permitirá “reforçar a cobertura em médicos de família, com mais 1.900 utentes por médico que venha a ser contratado pelas administrações regionais de saúde”.

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários