Quercus debate alimentação sustentável nas escolas para reduzir pegada ecológica

Quercus pretende também alertar as crianças para a importância do combate ao desperdício
23 de janeiro de 2014 - 09h54



A associação ambientalista Quercus debate na sexta-feira, nas jornadas do ambiente, que se realizam em Fátima, a alimentação sustentável nas escolas com o objetivo de ver "reduzida a pegada ecológica".



“Gostaríamos que a alimentação nas escolas tivesse um menor impacto do ponto de vista ambiental”, afirmou à agência Lusa Susana Fonseca, colaboradora da Quercus, salientando a importância do exemplo: “Se fornecermos às crianças uma alimentação mais sustentada e explicarmos por que razão é essa alimentação e não outra, vamos ter aqui uma formação das próximas gerações”.



Apontando os aspetos positivos para a saúde das crianças de uma alimentação sustentável, Susana Fonseca realçou: “Não é a saúde, apenas, via obesidade, mas fornecer-lhes uma alimentação mais equilibrada e amiga do ambiente”.



Susana Fonseca defende que a agricultura biológica deve ser a base da alimentação sustentável nas escolas, reconhecendo, contudo, que este é um trabalho a ser feito “progressivamente”.



Para a responsável, organismos geneticamente modificados devem ser excluídos das ementas das escolas que, por seu lado, devem fazer com que “a proveniência maior dos alimentos seja da agricultura biológica” e privilegiar a produção local, regional e nacional.



“Tentar dar menos proteína animal, substituindo por proteína vegetal” é outra das sugestões de Susana Fonseca: “Não passa por defender uma alimentação vegetariana nas escolas, mas lembrar que proteínas vegetais têm associados menores impactos e, também, menores custos, com idêntico valor nutricional”.



Por outro lado, a colaboradora da Quercus considera importante o combate ao desperdício, apontando a possibilidade de as escolas terem “um sistema que permita encaminhar para instituições as refeições que não são consumidas” e, ainda, “o aproveitamento dos restos alimentares para compostagem”.

Comentários