Crânio com 1,8 milhões de anos põe em causa história da evolução humana

Descoberta, segundo investigador, pode reescrever a história evolutiva dos humanos

18 de outubro de 2013 - 01h21

Um crânio com 1,8 milhões de anos descoberto na Geórgia em 2005 sugere que os primeiros hominídeos que povoaram o planeta poderiam pertencer não a diferentes espécies mas a apenas uma, segundo uma investigação publicada na quinta-feira na revista Science.

Um dos investigadores analisou esse crânio durante oito anos e fez uma descoberta que, segundo defende, pode reescrever a história evolutiva dos humanos.

O chamado “crânio 5” é “o mais completo” de um homem antigo que se encontrou no mundo, de acordo com o principal autor do estudo, David Lordkipanidze, investigador do Museu Nacional da Geórgia, em Tbilissi.

“Não estamos contra a ideia de que pode ter havido mais de uma espécie em algum momento há cerca de dois milhões de anos”, sustentou Christoph Zollikofer, do Instituto e Museu de Antropologia da Suíça, que ajudou a analisar o crânio, “mas simplesmente decidimos que não temos evidência fóssil suficiente”.

O estudo do “Crânio 5” e de restos de outros quatro hominídeos na mesma zona, em Dmanisi (Geórgia), fez pensar estes investigadores que fósseis reconhecidos como provenientes de espécies distintas como o “Homo habilis” e o “Homo erectus” poderiam ser realmente de uma mesma espécie.

Lusa

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários