"Café Memória" reforça encontros para resolver problemas de memória

Encontros eram realizados duas vezes por mês em Lisboa e Cascais
19 de fevereiro de 2014 - 17h47



O projeto “Café Memória”, que visa proporcionar encontros para partilha de experiências e apoio a pessoas com problemas de memória ou demência, familiares e cuidadores, vai reforçar, em Lisboa, o número de sessões mensais.



“Com esta parceria com a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa vamos poder alargar as sessões a quatro por mês, três em Lisboa e uma em Cascais”, disse hoje à Lusa a coordenadora do projeto, Catarina Alvarez.



Segundo a responsável, o objetivo “é contribuir para a melhoria da qualidade de vida destas pessoas e para a redução do isolamento social em que muitas vezes se encontram, mas também sensibilizar a comunidade em geral e reduzir o estigma associado à demência, designadamente através do voluntariado”.



Desde a sua data de lançamento, em abril de 2013, que o “Café Memória” se tem vindo a realizar duas vezes por mês, nos restaurantes Portugália do Centro Comercial Colombo, em Lisboa, e do CascaiShopping, em Cascais, no primeiro e terceiro sábado, respetivamente.



Agora, os “Cafés Memória” vão passar também a funcionar na Cafetaria do Museu de S. Roque, no Chiado, e no Espaço Santa Casa, no Campo de Santa Clara, ambos em Lisboa, no segundo e quarto sábado de cada mês, respetivamente, estando a primeira sessão agendada para 08 de março.



Cabe à Direção dos Prémios Santa Casa Neurociências a coordenação desta iniciativa nestes espaços.



“A adesão ao projeto e às sessões do ‘Café Memória’ tem sido importante. O que reparamos é que as pessoas não só nos vêm conhecer como voltam”, afirmou Catarina Alvarez.



A implementação dos “Cafés Memória” em Portugal, que, segundo Catarina Alvarez, “deriva de um conceito internacional muito disseminado”, provém de uma iniciativa conjunta da Sonae Sierra e da Associação Alzheimer Portugal.



“A implementação deste projeto em Portugal tem a ver com o facto de o tema da demência ser um tema social e de saúde pública cada vez mais relevante neste país”, esclareceu a coordenadora, acrescentando que “em Portugal, estima-se que existam cerca de 153 mil pessoas com demência”.



As sessões do “Café Memória” são gratuitas e têm a duração de duas horas, das 09:00 às 11:00, decorrendo num contexto informal, com a presença de profissionais de saúde.



Cada uma das sessões envolve a receção individual dos participantes, que são convidados a realizar atividades lúdicas e estimulantes para o funcionamento cognitivo, como jogos de memória, associação de palavras, orientação e atividades de expressão plástica e musical, e visa contribuir para o bem-estar de cada um.



O projeto “Café Memória” sustenta parcerias com diversas instituições, entre as quais a Fundação Calouste Gulbenkian, a Fundação Montepio e o Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Católica.



Lusa
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários