Médicos alertam que alterações climáticas estão a propagar doenças

As mudanças climáticas estão a causar mais pessoas doentes, ao promoverem o aumento dos níveis de poluição atmosférica e da água e ao facilitarem o incremento de mosquitos transmissores de doenças, concluiu um conjunto de 11 grupos médicos norte-americanos.
créditos: AFP

O Consórcio da Sociedade Médica sobre o Clima e a Saúde representa mais da metade dos médicos dos Estados Unidos e pretende ajudar os criadores de políticas públicas a compreender os riscos para a saúde do aquecimento global. "Nós, médicos de todos os cantos do país, vemos que as mudanças climáticas estão a fabricar americanos doentes", disse Mona Sarfaty, diretora do novo consórcio.

"Os danos estão a ser sentidos principalmente pelas crianças, idosos, pessoas com baixo rendimentos ou doenças crónicas, e pela comunidade negra", afirmou.

O grupo divulgou um relatório que explica como as mudanças climáticas afetam a saúde e insta a uma rápida transição para as energias renováveis. O texto vai ser distribuído pelos membros do Congresso, de maioria republicana.

Doenças respiratórias

As principais advertências surgem no campo dos problemas respiratórios e cardíacos. O aumento da sua incidência tem sido associado ao incremento dos incêndios florestais e da poluição do ar, assim como às consequências do calor extremo.

As doenças infecciosas podem propagar-se mais e mais rápido quando os mosquitos e carrapatos que transmitem as doenças ampliam sua área de ação, afirma o texto. O clima extremo, assim como os furacões e as secas, podem tornar-se mais comuns, destruindo casas e meios de subsistência e prejudicando a saúde mental das pessoas, alerta.

A maioria dos norte-americanos não está ciente de que os aumentos dos ataques de asma e de alergias também estão relacionados com as mudanças climáticas, de acordo com o relatório.

Estes são os 10 lugares mais poluídos do mundo

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários