Pole dance

Uma maneira original e desinibida de tonificar os músculos e de combater a flacidez

É um tipo de dança que mistura movimentos de dança com movimentos acrobáticos. O pole dance é uma (nova) forma de fazer exercício que aumenta a autoestima e tonifica o corpo, como nenhuma outra modalidade. Com cada vez mais adeptas. Já foi o yoga, já foi o pilates. Agora é a vez do pole dance. É a modalidade sensação do momento. Que todas queremos, pelo menos, experimentar. Pela extraordinária capacidade de tonificar o corpo, pelo boost na autoestima, pela fuga à rotina.

Sem ordem de preferência. No meu caso, desde que vi a fotografia da minha amiga Inês pendurada no varão com umas pernas de fazer inveja e um domínio fenomenal do corpo, pensei «tenho de fazer isto». A dança no varão, como é mais conhecida, é vista, por quem a pratica, como uma das formas mais livres de expressão artística, no que se refere à dança e, em Portugal, está a conquistar o seu lugar como modalidade artística e desportiva.

Fomos experimentar uma aula e contamos-lhe todos os pormenores sobre uma dança que promete transformar-nos, por dentro e por fora. Preparada?

A origem

Foi em 1870, quando os circos começaram a chegar às cidades, que surgiram os primeiros show girls, mais tarde transferidos para os cabarés. Nos anos da década de 1980, apareceram os espetáculos nos strip clubs, exclusivamente para homens e foi na década de 1990 que o pole dance começou a ser ensinado em escolas de dança e ginásios. Em 2005, o primeiro campeonato internacional afirmou-o, finalmente, como modalidade artística e desportiva.

Primeiras impressões

Confesso que a ideia que levava do pole dance era aquela que ainda muitas pessoas têm, a de uma dança erótica, praticada em strip clubs, mas agora tinha a oportunidade de conhecer o outro lado ou, melhor, a sua verdadeira essência. Um tipo de dança com uma técnica exigente que trabalha a expressão corporal, a feminilidade e a sensualidade, ao mesmo tempo que exercita o corpo e permite manter a boa forma, enquanto aumenta a nossa autoestima e confiança.

A sala de treino do local onde experimentei, a sala da Jazzy Dance Studios, em Lisboa, é composta por cinco varões. No máximo, uma aula pode ter dez pessoas (duas por varão). A atenção permanente que a técnica requer assim o exige. Virada para o espelho que se estende ao longo da sala, começo a dar os primeiros passos em torno do varão, sempre em pontas, uma posição que transmite a elegância necessária e que requer equilíbrio e força muscular.

A minha aula

Sob a orientação da professora, faço alguns movimentos no varão e rapidamente me apercebo do quão exigente é o pole dance. afinal, estamos a falar de um tipo de dança que inclui movimentos acrobáticos e que requer um grande trabalho muscular, além de muita flexibilidade. A música que acompanha os exercícios é pop mas poderia ser qualquer outra. No pole dance, não há um estilo musical específico.

A beleza da coreografia depende da nossa força e do equilíbrio e o maior desafio é conseguir combinar os movimentos numa sequência harmoniosa e com graciosidade. À medida que vou aperfeiçoando os movimentos, vou tomando mais consciência da minha postura e do meu corpo e, no final, consigo fazer uma breve coreografia, onde ponho à prova a minha expressão corporal. todos os movimentos devem ser feitos de uma forma sensual e muito feminina.

O pole dance faz bem ao corpo e à mente. Como explica Joana Silva, professora de pole dance há cinco anos, «é uma dança que trabalha muito a força muscular, a flexibilidade e a coordenação motora, mas não só. por ser muito desafiante e tecnicamente exigente, leva-nos aos limites e isso torna-nos psicologicamente mais fortes. melhora a autoestima e dá-nos mais confiança».

As idades das alunas variam entre os 17 e os 50 anos, mas as motivações não são muito diferentes. Enquanto que umas procuram uma forma diferente de fazer exercício físico, outras, geralmente as mais maduras, vêem no pole dance uma forma de se (re)descobrirem e de (re)encontrarem o espaço delas», refere a professora. Os preços começam a partir de 65 € por mês, consoante o programa de aulas contratado.

O que acontece numa aula?

A aula demora uma hora e meia e começa com um aquecimento de meia hora que inclui exercícios de treino cardiorrespiratório, exercícios de condicionamento físico (fortalecimento muscular com maior incidência nos membros superiores e abdominais) e exercícios de treino de flexibilidade. segue-se uma hora de exercícios e técnicas específicas no varão (poses, giros ou voos, acrobacias e combinações entre movimentos) e fora do varão (dança no chão), a dança no varão (coreografias que reúnem as diferentes técnicas e que trabalham a capacidadede improvisação) e os alongamentos.

8 benefícios únicos:

1. Flexibilidade
2. Força muscular
3. Coordenação
4. Equilíbrio
5. Feminilidade
6. Sensualidade
7. Postura
8. Graciosidade

Texto: Sofia Cardoso com Joana Silva (professora de pole dance)

artigo do parceiro:

Comentários