Pénis circuncidado ou não circuncidado?

Muitas culturas consideram que os genitais naturais são anti-estéticos e pouco limpos, uma das razões para este procedimento. Descubra quais as diferenças entre um e outro.

Ser circuncidado, ou circuncisão, é um procedimento no qual é removido o prepúcio do pénis. O procedimento é normalmente efectuado devido a várias crenças religiosas e tradicionais, sendo por isso muitas vezes executado numa fase inicial da infância ou mesmo alguns dias depois do nascimento da criança. Esta intervenção raramente é executada num homem adulto. A principal razão para a circuncisão em diferentes culturas é que os genitais naturais são anti-estéticos e pouco limpos.

Um pensamento que, levado ao extremo, também dita a circuncisão das mulheres em certas culturas africanas. Uma prática muito condenada noutras partes do globo. A segunda razão para a circuncisão resulta, muitas vezes, de problemas de saúde. Nomeadamente, algumas pessoas têm problemas ao puxar o prepúcio do pénis para trás, o que lhes causa muitas dores. Ao remover o prepúcio a dor desaparece.

Os benefícios

À semelhança de numerosos africanos, muitas mulheres acreditam que um pénis que não é circuncidado é pouco limpo e atractivo e, por isso, preferem ter relações sexuais com um homem que tem o pénis circuncidado. Por pensarem dessa forma, poucas mulheres estão cientes das consequências que a circuncisão pode ter para eles. Nomeadamente, diminui a sensação sexual nos dois parceiros, o que também pode afetar o prazer sexual.

O prepúcio no órgão sexual masculino é um tecido erógeno que, entre outras coisas, aumenta a sensibilidade do pénis durante o sexo e, adicionalmente, serve de protecção contra fatores externos. Há muitas terminações nervosas na cabeça do pénis. A exposição constante da cabeça do pénis de um pénis circuncidado faz com que, gradualmente, este órgão seja menos sensível ao toque.

Várias pesquisas internacionais, que incluíram homens adultos que foram circuncidado depois de iniciarem a sua vida sexual, mostraram que a sensação sexual de muitos ficou drasticamente reduzida durante a relação sexual, em comparação com o sexo antes da circuncisão. Um alerta que muitos especialistas em várias partes do planeta também têm feito com alguma incidência e regularidade.

Os riscos

Contudo, a circuncisão também pode ser perigosa. Nas culturas africanas, os jovens são circuncidados sem qualquer anestesia ou instrumentos cirúrgico esterilizados, o que muitas vezes provoca várias infecções ou mesmo a morte. É difícil determinar se foi removida demasiada pele num rapaz muito jovem, mas o resultado é normalmente evidente quando este cresce. Assim, poderá vir a ter erecções dolorosas, derivadas de ter sido removida demasiada pele.

Por outro lado, a circuncisão também tem aspectos positivos. Muitos peritos afirmam que a circuncisão reduz o perigo de cancro do pénis. Conforme já foi mencionado, a cabeça de um pénis circuncidado é menos sensível e por isso o toque durante a estimulação tem de ser mais vigoroso. As pesquisas mostram que os homens circuncidados são sexualmente mais selvagens, comparados com os homens que não são circuncidados, o que é evidente na masturbação, sexo oral e sexo anal.

Em muitas culturas, a circuncisão não é obrigatória. É considerada uma decisão que deve ser tomada por cada indivíduo. Porém, os peritos aconselham que, caso não haja razão médica para tal, não deve fazê-la. Em qualquer dos casos, a decisão é sua. Veja também em que casos é indicada a circuncisão e saiba quais são os cuidados a ter em caso de sexo com homens com o pénis circuncidado.

artigo do parceiro:

Comentários