Pele perfeita na menopausa

O fim dos ciclos menstruais e ovulatórios na mulher afetam a epiderme. Veja as respostas da cosmética e da dermatologia para uma tez cuidada e saudável depois dos 45 anos

Quando a mulher chega à menopausa, foca a sua atenção nas estratégias que deve adotar para atenuar sintomas típicos, como os afrontamentos e o aumento de peso, ou para conservar a saúde óssea e cardiovascular. A pele, embora seja a face mais visível das mudanças que ocorrem nesta etapa da vida feminina é, contudo, muitas vezes relegada para segundo plano. Perde luminosidade, elasticidade, fica significativamente mais fina e com um tom que não é uniforme. Isto porque a renovação celular não se realiza com a mesma agilidade de antes. Neste artigo, encontra as soluções que tem ao seu alcance para atenuar estes efeitos.

Problema: Falta de elasticidade

A pele torna-se mais fina, frágil e perde elasticidade, ficando mais flácida, como resultado da degradação das fibras de elastina e colagénio. Isto acontece porque a produção de estrogénios, responsáveis pela sua produção, diminui. Uma das soluções passa por usar um creme de noite. Existem fórmulas muito nutritivas, especialmente indicadas para peles maduras. São ricas em substâncias que estimulam a regeneração de colagénio e aumentam a espessura da derme.

Pode recorrer também a tratamentos de fotorejuvenescimento. Refirmam a pele e dão-lhe luminosidade, graças ao intenso estímulo que exercem sobre os fibroblastos. Estes, por sua vez, sintetizam novas fibras de colagénio e elastina.

Problema: Desidratação

A diminuição dos níveis de estrogénios provoca secura cutânea, favorecendo o aparecimento de linhas e rugas faciais. Uma das soluções recomendadas é optar por sabonetes suaves. No banho, use um gel ou sabonete com tensioativos neutros e enriquecidos com substâncias emolientes. É importante que hidrate bem a pele. A pele deve ser hidratada frequentemente com óleos, leites ou cremes para manter a barreira cutânea saudável.

Prefira fórmulas com fator de proteção solar e ricas em substâncias antioxidantes, como vitaminas. Aplique fórmulas ricas em ácido hialurónico. Os níveis de ácido hialurónico, uma substância naturalmente presente na pele indispensável para preservar o conteúdo de água, vai diminuindo com a idade, sobretudo com a chegada da menopausa.

Problema: Diminuição da espessura cutânea

A pele funciona como uma barreira entre o meio ambiente e o organismo. Com a diminuição dos níveis de estrogénios e a passagem do tempo, esta barreira debilita-se e torna-se mais fina, pelo que a sua função protetora fica fragilizada. Para resolver este problema, aposte nas vitaminas. Segundo um estudo publicado no Journal of the American Academy of Dermatology, as vitaminas (tanto por via oral como tópica) exercem uma importante função anti-radicais livres e contrariam o afinamento da pele.

As mais relevantes são as vitaminas A, C e E. Os cremes antienvelhecimento ricos nestas substâncias são uma opção, mas o aporte de uma maior hidratação à pele através de injeções de ácido hialurónico também é uma solução.

Veja na página seguinte: O problema das manchas cutâneas

Comentários