Acne juvenil

Especialista em dermatologia explica como lidar com o problema

A adolescência é uma fase que muitas vezes se faz acompanhar por sinais como o acne. Para muitos pais, esta é uma preocupação.

Por isso, é importante que estejam bem informados e tentem esclarecer todas as suas dúvidas.

 

Este problema afeta muitos adolescentes, como é o caso de Tiago Rocha. «Tenho um filho com 13 anos com imensos pontos negros no rosto (sobretudo na testa, no nariz e no queixo) e em toda extensão das costas, especialmente nos ombros. Já comprei diversos produtos conhecidos no mercado, que de nada adiantaram. A minha dúvida prende-se com o motivo para o seu aparecimento e qual o tratamento mais eficaz», questiona Maria Alice Rocha, mãe do jovem.

Os pontos negros são uma das formas de acne dito retencional, já que as lesões são constituídas por material sebáceo desidratado que fica retido no canal pilar sem se conseguir exteriorizar, como os pontos brancos que, pelo facto de não entrarem em contacto com o oxigénio do ar, não oxidam e não tomam o aspeto escuro do ponto negro.

Como explica Miguel Trincheiras, dermatologista, este facto deve-se a uma série de alterações da queratinização da camada córnea da epiderme que facilitam a retenção deste material, quer por desidratação do próprio sebo, quer por um obstáculo mecânico à sua progressão.

«Nestes casos, o tratamento deve incidir sobre a libertação do canal pilar para permitir a passagem do sebo, através de tratamentos de laser, peelings e/ou aplicação tópica de moléculas que promovem a remoção dos rolhões de queratina formados. Estes podem ser associados ou não, conforme cada caso individual, à toma de outro tipo de medicação por via oral», sugere o especialista.

artigo do parceiro:

Comentários