Pais fumadores podem ser responsáveis pela infertilidade dos filhos

A organização Mundial de Saúde celebra dia 31 de maio, o Dia Mundial Sem Tabaco com o objetivo de consciencializar sobre os prejuízos do tabaco para a saúde

O IVI Lisboa, uma clínica especializad em procriação medicamente assistida, mostra através de estudos publicados que fumar durante a gravidez prejudica gravemente a saúde do bebé e pode chegar a causar infertilidade na sua etapa adulta. Esta é uma das principais conclusões, do estudo “The impact of cigarette smoking on the health of descendants” publicado no Expert Review of Obstetrics & Gynecology, entre outros, pelo diretor do IVI Lisboa - Sérgio Soares.

 

O artigo aborda o impacto dos pais que fumam na saúde dos filhos e mostra que a exposição pré-natal ao tabaco está associada a um aumento da incidência de má formação no feto, obesidade, hiperatividade e transtornos de comportamento. A mãe fumadora durante a gravidez influi negativamente na saúde dos filhos a longo prazo, “e pode provocar no caso dos rapazes a redução da concentração do esperma de 20-48% em comparação com os não expostos, e uma reserva limitada de ovócitos e subfecundidade no caso das raparigas”, explica Sérgio Soares.

O pai fumador, mesmo somente no período pré-concecional, contribui para uma maior incidência de cancro na descendência. “Acredita-se que tal facto se deva a que as mutações do esperma possam ser transmitidas ao feto de modo permanente, passando a fazer parte da composição genética da futura geração. Portanto, as consequências do hábito de fumar estendem-se além do fumador, aos seus descendentes não fumadores e de modo grave”, esclarece o diretor do IVI Lisboa, que enfatiza a necessidade de se fazerem mais estudos nesta área.

O IVI Lisboa relembra às mulheres grávidas e aos casais em idade reprodutiva que o tabagismo tem consequências para a descendência que vão além dos efeitos a curto prazo da deterioração da função da placenta.

Comentários