Encontrado novo tratamento para a doença dos «ossos de cristal»

Doença retratada no filme «Unbreakable – o Protegido», com Samuel L. Jackson, tem novo tratamento, que pode ser administrado em casa.

Um novo tratamento para crianças com osteogénese imperfeita (também conhecida por «doença dos ossos de cristal») foi desenvolvido pela Universidade de Sheffield e pelo Hospital Pediátrico de Sheffield, no Reino Unido.

 

A osteogénese imperfeita é uma patologia rara, congénita, que se caracteriza pela fratura frequente de ossos, devido a uma fragilidade óssea exacerbada.


O estudo do novo tratamento para crianças com a doença osteogénese imperfeita foi publicado na mais recente edição da revista médica The Lancet.


Este é o primeiro estudo a demonstrar claramente que o uso do medicamento risedronato pode não só reduzir o risco de fraturas em crianças com enfraquecimento dos ossos, mas também tem uma ação rápida – as curvas para o risco de fratura começam a divergir após apenas 6 semanas de tratamento.


Nick Bishop, especialista em doenças ósseas pediátricas Universidade de Sheffield, disse: «Queríamos mostrar que o uso de risedronato pode ter um impacto significativo na vida das crianças, reduzindo as taxas de fratura – o que o nosso estudo comprovou.»


«O facto de este medicamento poder ser administrado por via oral em casa (outros medicamentos semelhantes são administrados por via intravenosa, em ambiente hospitalar) torna-o familiar», concluiu o investigador.


A investigação, financiada pela Aliança para Uma Melhor Saúde Óssea, estudou crianças testado com osteogénese imperfeita, com idades compreendidas entre os 4 e os 15 anos, e mostrou que o uso da forma oral de risedronato reduz o risco da primeira e recorrentes fraturas clínicas e que o medicamento foi geralmente bem tolerado.


A doença osteogénese imperfeita é o ponto central do filme Unbreakable – O Protegido (2000), realizado por M. Night Shyamalan, co-protagonizado por Bruce Willis e Samuel L. Jackson, cuja personagem tinha nascido com osteogénese imperfeita tipo I.

 

 

Maria João Pratt

artigo do parceiro:

Comentários