A história de uma gata que devolveu a voz a um menino autista

Um livro recentemente publicado prova que os animais domésticos podem ser uma peca-chave no desenvolvimento de componentes de sociabilidade em crianças com perturbações do foro autista
Lorcan Dillan é um menino britânico de oito anos, olhos claros, sorriso no rosto, mas com uma doença que o impedia de falar. Sofria de autismo e mutismo seletivo.

A condição impedia-o de comunicar verbalmente, expressar emoções simples e desfrutar de abraços ou contacto humano. Mas tudo isto mudou radicalmente com a chegada de uma gata, a Jessi.

A ligação extraordinária entre Lorcan e a gata foi imediata. Tornaram-se inseparáveis: quando Lorcan gritava e chorava, a gata sentava-se junto a ele até que se acalmasse; à noite, deitava-se na cama até que ele adormecesse; e brincavam juntos todo o dia.

Os pais de Lorcan aperceberam-se depressa de que a criança estava finalmente a expressar suas emoções, algo que nunca tinha acontecido antes. Hoje, é um rapaz que consegue comunicar com toda a gente, desenvolver e manter amizades, falar com desconhecidos e até participar em peças de teatro.

A história inspirou a mãe do menino, Jayne Dillon, que escreveu “A Minha Gata Jessi”, editado em Portugal pela Vogais Editora, um livro que conta a experiência da família na luta contra o autismo.

Animais domésticos e crianças autistas

Já um estudo publicado em 2012 tinha provado que incluir um animal de estimação no ambiente familiar de crianças autistas pode ajudar a desenvolver as aptidões sociais das crianças afetadas pela perturbação.

A investigação francesa, publicada na revista PloS One, mostra que o contato com animais de estimação pode ter um efeito positivo e transformador no comportamento de crianças autistas

Segundo especialistas do Centro de Investigação do Hospital de Brest, em França, as crianças com doenças do foro autista que passam a ter um cão ou um gato, por exemplo, depois dos cinco anos de idade, apresentam um melhor relacionamento com outras pessoas, comparativamente aos indivíduos que já nascem em lares com a presença de algum animal doméstico.

Por SAPO Crescer

artigo do parceiro: Nuno de Noronha

Comentários