O que é a Pré-Eclâmpsia?

Saiba mais sobre a pré-eclâmpsia e a importância do rastreio pré-natal

A Pré-Eclâmpsia é uma doença que começa a ocorrer no início da gravidez sendo caraterizada por um aumento da tensão arterial, designada por Hipertensão de novo (> 140/90mm/Hg), pela libertação das proteínas na urina denominada por Proteinúria (> 0.3 g/24 horas) e aparecimento de edemas de início recente.


Assim o diagnóstico da Pré-Eclâmpsia é baseado em sinais e sintomas e apenas possível quando a doença se manifesta e daí a importância do Rastreio Pré-Eclâmpsia do 1º trimestre que permite a identificação precoce de uma gravidez com elevado risco de Pré-Eclâmpsia.


Procuraremos responder às questões mais frequentes sobre a Pré-Eclâmpsia, uma doença que começa a ocorrer no início da gravidez


A Eclâmpsia é uma patologia associada à gravidez que decorre da disfunção do leito uteroplacentar, com remodelação das artérias espirais e com deficit hemodinâmico, levando ao aparecimento de uma vasoconstrição, agregação plaquetária e hipercoaguabilidade. A conjugação destes fatores origina uma complicação muito grave da gravidez que se caracteriza pelo aparecimento de convulsões.


Esta sintomatologia é precedida pelo aumento da albuminúria, hipertensão arterial, edemas, oligúria, vertigens, zumbidos nos ouvidos, cefaleias persistentes, fadiga, sonolência e vómitos. A ocorrência desta doença pode provocar complicações mortais para o feto e para a mãe.

 

Em que período da gestação pode surgir a Pré-Eclâmpsia?

 

As manifestações clínicas apenas ocorrem ao longo do 2º e 3º trimestre. Contudo é mais comum a Pré-Eclâmpsia manifestar-se depois das 20 semanas de gestação, podendo subdividir-se em Pré-Eclâmpsia Precoce se surgir com menos de 34 semanas, Pré-Eclâmpsia Intermédia se surgir entre as 34 e 37 semanas, e por fim quando se manifesta depois das 37 semanas denomina-se Pré-Eclâmpsia Tardia.


Quais são então os sintomas e sinais da Pré-Eclâmpsia resultantes do diagnóstico realizado?

 

O Diagnóstico da Pré-Eclâmpsia (PE) é baseado em sinais (hipertensão, taquicardia e taquipneia, crepitações ou síbilos na auscultação, déficit neurológico (sinais focais), hiperreflexia, petéquias, hemorragias intracranianas, edemas generalizados) e sintomas (cefaleias, perturbações visuais, amnésia, convulsões, ansiedade, dor abdominal).

 

Convém ressalvar que este diagnóstico só é possível quando a doença se manifesta. No entanto, o Rastreio Pré- Eclâmpsia do 1º trimestre permite a identificação precoce de uma gravidez com elevado risco para Pré-Eclâmpsia e aumenta a probabilidade de um melhor prognóstico para esta gravidez.

 

Professor Germano de Sousa

Diretor Coordenador do Centro de Medicina Laboratorial Germano de Sousa

Comentários