Cuidados à pele durante a gravidez

A gravidez representa um período de intensas mudanças, que tornam a mulher suscetível a alterações cutâneas. Conheça-as melhor e saiba como atuar.

A gravidez é um período de intensas mudanças na mulher, do foro endócrino, metabólico, vascular e psicológico, tornando-a particularmente suscetível a alterações cutâneas quer fisiológicas quer patológicas.

“Pano” e “sardas” na face
Por volta da segunda metade da gravidez e em cerca de 70% das mulheres, aparecem manchas escuras na pele da face, o vulgar “pano” (melasma) e um reforço da pigmentação das efélides (sardas).

Faça uma correta proteção solar durante toda a gravidez. Todos os tipos de tratamentos estão contraindicados neste período.

Estrias
Ocorrem em 90% das mulheres durante o sexto, sétimo mês da gestação, desencadeadas por fatores hormonais e físicos (distensão e aumento do peso da mãe e do feto).

No pós-parto, as estrias tornam-se mais acentuadas, alterando o tom rosa-purpúrico para linhas atróficas pálidas.

Aplique cremes hidratantes (emolientes) em massagem, uma a duas vezes por dia, para melhorar a distensibilidade cutânea. Estão contraindicados todos os produtos com retinoides.

Pele pigmentada
As áreas da pele tornam-se mais escuras, particularmente os mamilos e a aréola mamilar, a face interna das coxas e os genitais externos, e a linha branca abdominal torna-se castanha. Pode haver um aumento do tamanho e do número dos sinais (nevos melanocíticos). Estas alterações geralmente regridem pós parto.

Varizes
As alterações vasculares resultam da distensão, instabilidade e proliferação dos vasos sanguíneos. Ao nível dos membros inferiores, por aumento de pressão venosa das veias femurais e pélvicas, há um aumento de varicosidades (40% das situações).

Uma forma de melhorar, ou antes, prevenir os derrames e varizes é recorrer a medidas posturais (elevação dos membros inferiores) e a utilização de meias compressivas.

Cabelo
Durante a gravidez, o cabelo não é afetado, pois os estrogéneos prolongam a fase anagénica do ciclo pilar (crescimento). Contudo, é o eflúvio pós-parto (perda de cabelo decorrente de um distúrbio no ciclo de vida capilar) a afeção capilar mais comum e preocupante. Inicia-se por volta do segundo, quarto mês após o parto, com uma duração média de um a cinco meses. É um processo autolimitado e a recuperação espontânea é frequente.

Unhas
As alterações mais frequentes incluem o aparecimento de sulcos transversais, o descolamento da unha (onicólise distal) e unhas quebradiças (onicosquísis).

Fonte consultada: Manuela Selores, Dermatologista

Texto: Violante Assude

Com edição de: Ana Margarida Marques

Siga este e outros temas sobre gravidez no Facebook A Nossa Gravidez.

artigo do parceiro:

Comentários