Sabia que a obesidade na gravidez reflete-se na criança?

As mulheres que estão acima do peso recomendado têm três vezes mais risco de ter complicações obstétricas, maior risco de aborto e morte fetal. E os filhos de mulheres com excesso de peso têm 40% mais probabilidade de padecer de obesidade e de doenças crónicas.
créditos: AFP/VANDERLEI ALMEIDA

O excesso de peso pode ser uma das dificuldades para engravidar. Por este motivo os ginecologistas recomendam um plano de redução de peso e hábitos de alimentação saudável, pelo menos entre três a seis meses, antes dos casais pensarem em engravidar. Quer seja de forma natural ou através de tratamento de procriação medicamente assistida (PMA).

“Entre 30 a 40% das mulheres obesas têm dificuldade em engravidar. Existem dados que mostram a relação entre o índice de massa corporal elevado e a fertilidade”, explica Sérgio Soares, diretor do IVI Lisboa.

O excesso de peso pode gerar alterações hormonais que fazem com que a mulher não ovule e sem ovulação não pode engravidar. Por outro lado, estudos realizados pelo grupo IVI mostram que as mulheres que estão acima do seu peso, que ovulam e ficam grávidas, têm três vezes mais risco de ter complicações obstétricas, maior risco de aborto e morte fetal.

As pacientes com obesidade, isto é, aquelas que têm um índice de massa corporal acima dos 30, deveriam aumentar apenas sete a oito quilos durante a gravidez. Enquanto uma mulher com o peso adequado pode ganhar sete a doze quilos. É importante que a grávida faça uma alimentação equilibrada e variada e nunca uma dieta com menos de 1.800 calorias.

Mães obesas: filhos obesos

O estudo mostra ainda que o excesso de peso não tem apenas consequência para as mães, mas também para os filhos. Isto acontece porque as condições no útero materno têm efeitos sobre a fisiologia fetal. Ou seja, o ambiente onde se desenvolve o feto condiciona o seu desenvolvimento durante a vida. A isto chama-se “memória metabólica” e influencia, por exemplo, que a obesidade seja um problema perpétuo e autogerido.

Comentários