Uma dieta à prova de alergias

Especialista explica por que razão atualmente há mais alergias alimentares

Não é novidade que a incidência das doenças alérgicas continua a aumentar por todo o mundo, principalmente nos países industrializados e em idades cada vez mais precoces.

O que se verifica é que as últimas gerações de crianças sofrem mais de alergias do que as anteriores.

Quais as causas desta verdadeira epidemia do século XXI? Pensa-se que os estilos de vida modernos, a poluição e a alteração de hábitos alimentares podem contribuir para aumentar a frequência de doença alérgica.

De facto, o estilo de vida atual é bastante diferente do dos nossos pais, que compravam os alimentos em mercados locais abastecidos pelas hortas dos arredores e que comiam legumes, leguminosas e fruta com poucos ou sem pesticidas, galinhas de capoeira e animais que se alimentavam de pasto.

E hoje, qual é a realidade, principalmente nas grandes cidades? As compras são feitas em grandes superfícies, os produtos vêm dos quatro cantos do mundo (ao ponto de ninguém saber quais são os da estação), a carne é de aviário e o peixe de aquacultura. Isto para não falar dos 300 aditivos utilizados na indústria alimentar, como conservantes, antioxidantes, corantes e intensificadores de sabor, entre outros, e da fast food, que é um sucesso por todo o mundo.

Se a este quadro juntarmos a poluição atmosférica, as alterações climáticas e o estilo de vida frenético com o correspondente stress emocional, podemos compreender porque as defesas do organismo humano são ultrapassadas e se adoece, nomeadamente de patologia alérgica. Aconselho que consuma produtos biológicos sempre que possível, frango do campo, carne de vaca de pasto e que escolha produtos nacionais evitando, assim, a congelação, armazenamento, deslocação e processamentos vários, que não nos trazem benefício algum.

Sinais de alarme

Estas são as reações que podem denunciar uma alergia alimentar:

- Comichão nos lábios, na língua e na garganta
- Vómitos e diarreia
- Reações cutâneas, nomeadamente urticária e angioedema
- Sintomas respiratórios, nomeadamente rinite e asma
- Choque anafilático, uma reação alérgica sistémica grave que ocorre de forma súbita e pode ter manifestações cutâneas, respiratórias, cardiovasculares e gastrointestinais. Esta requer tratamento imediato

Texto: Filomena Falcão (alergologista)

artigo do parceiro:

Comentários