Novo livro ensina os pais a educar com equilíbrio

"Coaching para Pais" é o livro ideal para quem procura uma educação baseada na colaboração, dignidade e respeito mútuo

Ninguém nasce ensinado, nem mesmo os pais. Educar significa decidir entre vários caminhos e são inúmeros os desafios que se colocam a pais e mães durante o crescimento dos filhos. A intuição não é suficiente e, por isso, nasceu o livro Coaching para Pais

 

Cristina Valente, psicóloga e especialista em coaching parental, é a autora. No manual, ensina estratégias práticas para uma educação que orienta sem impor, que estabelece regras fundamentais, que não é permissiva mas que exercita a autoridade e não o autoritarismo.

 

1. Há algum segredo na base de um bom pai/mãe?

O segredo é tomar consciência de que não se nasce pai nem mãe e que a intuição não é suficiente. Bons pais são os que não desistem de crescer juntos com os seus filhos!

 

2. Como é que os pais podem saber se estão a dar a melhor educação possível aos seus filhos?

Quando os seus filhos se tornam pessoas responsáveis, positivas, resilientes, solidárias, tolerantes, criativas e generosas. Não existe boa ou má educação: existe educação eficaz ou ineficaz.

 

3. Existe um modelo de educação correto?

Sim, no mundo de hoje que “respira” democracia a educação mais eficaz é a democrática, pois é a “linguagem” que as crianças entendem. Democracia não significa falta de regras, mas sim regras que satisfaçam ambas as partes (pois são essas as mais eficazes).

 

4. Que tipo de vontades é que os pais podem ou não podem incutir nos filhos?

Falemos antes em “competências” e em “valores” em vez de vontades. As competências que os pais devem incutir nos filhos são as que os tornem adultos responsáveis e felizes. Quanto aos valores, diferem de família para famílias mas a verdade é que são mais ou menos universais. Os pais não podem ter medo de incutir nos filhos os seus valores. Os valores são inegociáveis!

 

5. Pai e autoridade não são sinónimos, pois não?

Pai e autoridade só são sinónimos se o filho olhar para o pai como um modelo, um exemplo positivo. Autoritarismo é algo diferente: trata-se de um estilo baseado no poder e na força do adulto, que já não é eficaz nos dias de hoje. E, pior, que as crianças não respeitam.

 

6. Como é que um pai sabe se está a exigir demais ou o contrário?

Quando a criança se porta mal. O mau comportamento é um indicador de que estamos a ser controladores e autoritár ios ou, por outro lado, negligentes ou permissivos. Uma criança que cresce num ambiente de respeito tende a portar-se mal com menos intensidade e menos frequência.

 

7. Um pai ou uma mãe também se cansam?

Claro! São seres humanos e educar uma criança é uma tarefa desgastante! Quando os pais deixarem de sentir culpa por não serem Super Pais ou Super Mães, as crianças irão respeitá-los mais e manipulá-los menos.

Comentários