E se o caminho escolar for feito acompanhado?

Lúcia Garcia, Técnica Superior de Reabilitação Psicomotora, aborda neste texto o tema do apoio pedagógico personalizado intensivo.
créditos: Pixabay

Desde que nascem, as crianças têm uma grande energia e são muito curiosas na exploração do ambiente que as rodeia, para o compreenderem e lhe atribuírem sentido e significado. São muito disponíveis e atentas ao que é novo e diferente e desempenham um papel dinâmico nas relações e interações que estabelecem com os outros. Revelam uma grande capacidade em realizar diversas aprendizagens ligadas ao seu desenvolvimento infantil.

Mas, algumas crianças precisam de alguém que lhes facilite e oriente, de uma forma mais estruturada e organizada, as suas descobertas e aquisições, nestes processos intencionais de exploração e de compreensão da realidade, resultantes de dificuldades de autonomia e/ou devido aos seus quadros clínicos.

O ambiente educativo é um contexto que deve ser facilitador do processo de desenvolvimento e aprendizagem de todas as crianças no geral e de cada uma em particular. Neste sentido, justifica-se a possibilidade de um técnico de apoio pedagógico personalizado intensivo, poder integrar-se no processo de intervenção em contexto escolar, para poder ajudar a criança a desenvolver todas as suas potencialidades. Este técnico desenvolve também um trabalho em articulação com a equipa educativa, dando-lhes orientações e estratégias que possam adaptar na sua prática diária e com a família, sugerindo estratégias e sugestões para poderem aplicar na interação diária que têm com os seus filhos.

As principais funções de um técnico de apoio pedagógico personalizado intensivo são as seguintes:
- Estuturação e adaptação dos contextos físicos, de modo a facilitar a participação ativa da criança;

- Orientação e coajuvação com a equipa educativa: planificação das atividades em grupo e aferição dos recursos necessários para o desenvolvimento de cada atividade específica, como exemplos: utilização de diversos materiais de pintura, com tamanhos e grossuras diferentes; utilização de velcros; utilização de cartões com imagens e/ou palavras, para organização das rotinas da criança; utilização da fotografia da criança para colocar nos cantinhos da sala que vai escolhendo para ir brincar;

- Ajudar os educadores/professores, assistentes operacionais e famílias, na implementação das orientações pedagógicas necessárias;

- Intervenção direta com a criança, em todos os aspetos específicos do seu desenvolvimento: autonomia pessoal e social, onde as suas competências da alimentação, do vestiário e da socialização, fazem parte integrante das competências deste técnico; expressão e comunicação (educação motora, artística, linguagem oral e escrita).

O técnico de apoio pedagógico personalizado intensivo é um facilitador do desenvolvimento e aprendizagem da criança, promovendo a sua integração no contexto educativo: desenvolve e colabora num planeamento adaptado e diferenciado, tendo em conta as caraterísticas individuais, competências e dificuldades de cada criança, criando condições estimulantes para o seu desenvolvimento e aprendizagem; promoção da sua autonomia: o desenvolvimento da criança é um desenvolvimento global, que inclui diversas áreas de actuação e por isso é na diversidade de contextos e na interação com os pares, que a criança vai crescendo e se vai desenvolvendo, ficando mais autónoma em todos as dimensões da sua vida.

Jamais em tempo algum se pretende que este técnico assuma as funções do Professor, nem as do Assistente Operacional. Pode auxiliar ambos com ideias de adaptação para ultrapassar as dificuldades, mas sempre numa perspectiva de sinalizar a dificuldade, planear uma intervenção com adaptação, transferir o conhecimento do plano de ação, verificar a aplicação do mesmo pelos responsáveis inerentes ao contexto da dificuldade e sair com o devido sucesso da adaptação.

Nesta perspectiva de intervenção, sempre em paralelo com os agentes principais da educação de uma criança e sempre com um papel de mediador entre as várias partes envolvidas, há um fim da mesma aquando da constatação da superação das dificuldades sentidas, assim como quando há uma inclusão percecionada e um contexto capacitado para responder e resolver por si alterações que surjam.

No seguimento das informações descritas ao longo do artigo, constata-se como mais valia para a criança, para a família e para o contexto escolar, a participação e interação de um técnico de apoio pedagógico personalizado intensivo, em contexto escolar, que possa ir de encontro às necessidades da criança, realizando uma reflexão constante da sua prática e com um interesse contínuo em melhorar a qualidade da resposta educativa.

Lúcia Garcia/Técnica Superior de Reabilitação Psicomotora

PIN - Centro de Desenvolvimento

Facebook PIN

artigo do parceiro:

Comentários