Hérnia umbilical nos bebés

As hérnias umbilicais são uma das formas comuns da hérnia abdominal bem como, as hérnias inguinais que ocorrem na zona da virilha. Descubra como elas podem surgir nos bebés.

Sabia que uma hérnia abdominal trata-se de uma fraqueza da parede abdominal, que permite que parte do intestino ou de outro órgão da cavidade abdominal seja mais saliente e se note no exterior? Na maior parte dos casos, esta é inofensiva e mais frequente nas crianças, embora possa também afetar os adultos. As hérnias umbilicais costumam ser mais frequentes nos bebés prematuros ou com baixo peso ao nascer e afetam ambos os sexos, embora alguns estudos indiquem uma maior prevalência no género feminino. Algumas estimativas mostram que apenas 10% das crianças apresenta uma hérnia umbilical, no caso dos adultos a hérnia é mais frequente em mulheres com idades entre os 50 e os 70 anos. Descubra os melhores tratamentos e como evitar este mal.

Causas da hérnia umbilical - Durante a gravidez, o cordão umbilical passa através de uma pequena abertura dos músculos abdominais e essa abertura, pois norma fecha-se após o nascimento. Se os músculos não se unirem completamente na linha média do abdómen, cria-se uma zona de fraqueza que permite a surgimento da hérnia no momento do nascimento ou até mais tarde. Num adulto, as causas mais comuns são as que provocam um aumento da pressão abdominal como a obesidade, a gravidez (sobretudo a gravidez múltipla), tosse crónica e atividades como levantar pesos.

Como se manifesta - A hérnia umbilical manifesta-se pela presença de uma saliência mole próxima do umbigo. O incomodo reduz quando a criança está deitada ou mais calma. No caso dos adultos o risco é mais elevado, causando desconforto abdominal. Se o fluxo sanguíneo ficar interrompido, ocorre estrangulamento que se manifesta em dor, náuseas, vómitos e paragem dos movimentos intestinais como a obstipação. Neste caso a pele sobre a hérnia fica vermelha, com sinais inflamatórios marcados e em muitos casos acaba por causar febre. Já nas crianças é raro acontecer complicações e elas apenas resultam do encarceramento do conteúdo da hérnia, que torna impossível a sua reinserção na cavidade abdominal. Esse encarceramento reduz o fluxo sanguíneo e pode causar dor umbilical e lesão dos tecidos. Quando o fluxo sanguíneo está completamente interrompido, estamos diante de uma hérnia estrangulada e se não for tratada, causará a morte dos tecidos infecção que se pode estender a todo o abdómen e ser fatal.

Com a diagnosticar - A radiografia simples do abdómen pode ser de muita utilidade e a ecografia e a tomografia axial computorizada são exames muito importantes para este diagnóstico.

Tratamento - A maioria das hérnias umbilicais encerra antes dos 18 meses e por isso, a criança só deve sujeitar-se a cirurgia, se a hérnia for muito dolorosa e apresentar um diâmetro superior a 1,5 cm e se não diminuir após 6 a 12 meses. No adulto, a cirurgia permite evitar complicações principalmente quando a hérnia se torna maior ou é mais dolorosa. A cirurgia designa-se por herniorrafia e trata-se do encerramento da zona de fraqueza da parede muscular.

Como prevenir - Embora não seja possível prevenir a hérnia umbilical que ocorre após o nascimento. Em adulto, a prevenção passa pelo uso de uma postura adequada sempre que levantar pesos e evitar a obstipação.

artigo do parceiro:

Comentários