Woody Allen acusado de abusos sexuais

Filha adotiva denuncia alegados crimes do realizador em carta publicada no “The New York Times”.

Dylan Farrow, filha adotiva de Woody Allen, garante que foi vítima de abusos sexuais por parte do realizador quando tinha apenas 7 anos de idade.
 
Em carta publicada no jornal “The New York Times”, a jovem detém-se, em particular, num episódio que situa no início dos anos 90.

Dylan afirma que Woody Allen a levou para o sótão da casa onde viviam e abusou sexualmente dela – facto que a então menina, hoje com 28 anos, denunciou a sua mãe, Mia Farrow, e que levou à rutura da relação do casal.

O caso foi divulgado em 1993, mas o cineasta sempre negou as acusações e nunca chegou a ser julgado.

Após anos de silêncio, Dylan Farrow decidiu escrever esta carta-denúncia, depois de o seu irmão, Ronan, ter criticado com dureza a homenagem pública feita a Woody Allen na gala dos Globos de Ouro, no passado dia 12 de janeiro.

Dylan diz na carta que o assédio do pai adotivo a perseguiu enquanto crescia e que lhe causou enormes problemas, desde desordens alimentares até graves complexos no seu relacionamento com homens.

“Cada vez que via o rosto do meu abusador, num cartaz, numa t-shirt ou na televisão, só conseguia controlar o pânico depois de encontrar um sítio onde pudesse esconder-me e ficar sozinha”, escreve Dylan Farrow.

Além disso, a jovem critica a atitude da generalidade das estrelas de Hollywood, que, em seu entender, têm “passado por cima” dos supostos abusos de Woody Allen.

“O que faria você, Cate Blanchett, se tivesse sido a sua filha? Louis CK? Alec Baldwin? E se tivesse sido você, Emma Stone? Ou você, Scarlett Johansson?”, pergunta Dylan a alguns artistas que trabalharam com Woody Allen.

O jornalista do “The New York Times” que tratou da publicação desta carta referiu que tentou falar com Woody Allen para comentar as acusações, mas que o realizador se recusou a falar sobre o assunto.

Comentários