O hotel que tem um cheiro próprio

Le Burgundy é um exemplo do mais refinado luxo parisiense (fotos)

Assume-se como um hotel de luxo contemporâneo que respeita o passado. Localizado numa das ruas mais calmas de uma das mais luxuosas e prestigiadas zonas da capital francesa, o Hotel Le Burgundy é um hotel recente, que tenta impor um estilo moderno e um conceito inovador num bairro tradicionalmente ligado à moda e à cultura. Situado na Rue Duphot, paredes-meias com as lojas dos grandes criadores de roupa, calçado e acessórios que povoam a Rue de Saint-Honorée e a Rua du Faubourg Saint-Honoré, onde não é difícil cruzar-se com estrelas internacionais, surpreende pelo requinte e pelo seu aroma característico.

Mal se entra, é impossível não sentir o cheiro que emana das velas que decoram o balcão da receção, em couro branco e bege, idealizado por Luc Avene. A fragrância é uma das imagens de marca desta unidade hoteleira. Mais tarde descobrirá que esse perfume estende-se à vasta gama de produtos de higiene disponíveis na casa de banho. Mas não é só o odor que salta às narinas. O aspeto contemporâneo, elegante e urbano do interior do edifício também encanta a vista.

Na altura de conceber o espaço, o arquiteto e o decorador de interiores que trabalharam no projeto procuraram criar um hotel com uma atmosfera tranquila, complementada com mobiliário sofisticado e cosmopolita, combinado com tecidos luxuosos, mantendo sempre o foco na criação de uma atmosfera sedutora e luminosa. Para homenagearem a paixão que os proprietários do hotel têm pela arte, recorreram a um entrançado de mármore negro e linhas de latão para cobrir o piso do rés do chão do edifício.

A criação, que tem a assinatura do artista plástico Guy de Rougemont, é um dos muitos apontamentos decorativos que distinguem este (novo) símbolo de sofisticação parisiense, tal como as telas, as litografias e as fotografias a preto e branco que personalizam um cenário de requinte sublime, localizado a poucos metros da mítica Place Vendôme e da histórica Place de la Concorde, uma das maiores praças públicas de Paris e uma das imagens de marca da eterna cidade das luzes e do romantismo.

À semelhança dos espaços comuns, também os 51 quartos e as oito suites que o Hotel Le Burgundy disponibiliza cultivam um estilo decorativo moderno e refinado, que combina camas grandes e confortáveis com sofás e cadeirões ergonómicos, candeeiros em cristal e secretárias que misturam vidro com outros materiais. Os tons de bege das paredes contrastam com os dos objetos texturados que complementam os ambientes, onde predomina o verde, o azul, o bronze e o fúcsia, sozinhos ou em padrões floridos.

O resto são pormenores que transportam os hóspedes para uma outra dimensão de distinção, simultaneamente simples e delicada. As flores grandes dos tecidos que enchem as divisões, as bolas dos candeeiros em vermelho e dourado, o luxo sóbrio das casas de banho com a pedra clara e o mármore negro em perfeita sintonia com o vidro e com o cromado das torneiras, o aroma característico, os chocolates belgas da Pierre Marcolini oferecidos à chegada, a entrega do boletim meteorológico para o dia seguinte…

No que se refere aos quartos, podem ser de três tipos. As chambres classiques, equipadas com uma cabine de duche, são as mais pequenas mas nunca têm menos de 24 m2, uma dimensão considerável para os hotéis de Paris. A área dos quartos superiores sobe para os 29 m2 e a casa de banho já tem banheira. Os quartos deluxe têm 31 m2, cabine de duche e banheira. A sofisticação maior está, contudo, reservada para as suites, com a mais pequena a atingir os 37 m2.

Bastante maior, com 50 m2, a Suite Opéra acaba por ver o seu terraço privativo converter-se num verdadeiro refúgio íntimo, um luxo a juntar ao quarto, ao dressing, à sala e à casa de banho que integra. Das varandas da Suite Saint-Honoré, localizada no quinto andar do edifício, podem-se admirar livremente os céus de Paris e ver a Igreja de la Madeleine de outra perspetiva. Neste andar, existem ainda duas suites duplex.

As habitações mais sofisticadas são, todavia, a Suite Royale, construída no último andar do edifício, com cerca de 78 m2, com uma configuração atípica e uma sala de refeições com uma vista privilegiada sobre Paris, além do apartamento de 70 m2 com vista para a Torre Eiffel e da Suite Présidentielle, com 210 m2, com elevador privado, três quartos, cinco salas, um jacuzzi, um bar e um terraço. Decorada em tons de castanho, é um dos ex-libris do Hotel Le Burgundy.

Acaba por ser nos quartos que a maioria dos hóspedes passa mais tempo mas esta unidade hoteleira está dotada de outros espaços dos quais vale a pena usufruir, como é o caso do premiado restaurante Le Baudelaire, distinguido com uma estrela do Guia Michelin em 2011, onde também são servidos os pequenos-almoços. Aberto para um pátio tranquilo, vive das experiências gastronómicas do chef Pierre Rigothier. A separar o restaurante e o bar do hotel, que tem o mesmo nome, existe um sofisticado jardim de inverno, onde também pode tomar refeições leves.

Já se imaginou a nadar nas profundezas de Paris? Dois níveis abaixo do solo, num cenário de beleza extrema, localiza-se a piscina do Hotel Le Burgundy, localizada paredes-meias com o spa de 250 m2 que a unidade hoteleira gere em parceria com as prestigiadas marcas Carita, Russie Blanche e Les Bains de Marrakech. Para além de fazer massagens, tratamentos e rituais de beleza, relaxamento e purificação, os hóspedes podem usufruir da sauna e do banho turco.

Os mais ativos têm ainda à disposição um ginásio com uma sala de treino, aberta todos os dias num período alargado. Tal como todos os outros espaços desta unidade hoteleira, também este foi renovado quando o hotel fechou para obras em janeiro de 2008, só reabrindo dois anos e meio depois, em agosto de 2010. O investimento feito na altura para modernizar o edifício, datado de 1850, ultrapassou os 60 milhões de euros.

Substancialmente menor mas fundamental a vários níveis é o apoio financeiro solidário que o Hotel Le Burgundy, que pertence a um proprietário independente e não integra nenhuma cadeia de hotéis internacional, tem dado a entidades locais como a Academia Vocal de Paris e a À Chacun son Everest, uma associação que apoia crianças com cancro ou leucemia, no âmbito da política de responsabilidade social que tem vindo a desenvolver.

Para angariar fundos, este boutique hotel aposta também na materialização prática dessa vertente, disponibilizando uma loja online onde pode adquirir merchandising da marca que tem procurado criar. Além das velas aromáticas com o cheiro característico da insígnia Le Burgundy, estão disponíveis produtos tão variados como botões de punho, garrafas de conhaque, canetas, esculturas, babetes, sacos de compras e até um CD em nome próprio com temas de nomes como Benjamin Diamond, Joypopp Alden Volney, Daroc e Apple Jelly.

Texto: Luis Batista Gonçalves

artigo do parceiro:

Comentários