Espaços verdes de baixa manutenção

Em época de contenção de custos, os jardins de que exigem menor conservação ganham cada vez mais razão de existirem. Saiba o que os distingue

Não precisa de gastar fortunas. A ideia de que o jardim é um espaço dispendioso não passa de um mito e a prova disso mesmo são as dicas que aqui lhe deixamos para conseguir um espaço verde com poucos custos mas, ainda assim, atrativo, apelativo e irresistível. Veja as espécies a que pode recorrer e alguns comportamentos e truques que deve privilegiar para conseguir uma área ajardinada que convide à fruição e que simultaneamente seja um bálsamo para os olhos e para a alma.

Rosas arbustivas e resistentes

As rosas requerem muita atenção e poda regular para a formação correta. As arbustivas são as menos exigentes no que à poda diz respeito e as mais resistentes a pragas e outros problemas. Constituem um grupo especial no seio das roseiras modernas e a maioria volta a florescer durante o ano. No primeiro ano de plantação, não devem sofrer cortes e nos seguintes deve podar apenas as partes que sobressaem do maciço. Com ferramentas bem limpas, corte por baixo da segunda folha a partir da flor.

Maciços cheios de bolbos

Os bolbos são ideais para jardins de baixa manutenção porque vivem muitos anos e multiplicam-se facilmente. Instale os bolbos em solo bem drenado para não apodrecerem. As bolbosas de floração primaveril (túlipas ou jacintos) são plantadas no outono e as de verão (begónias ou gladíolos) na primavera. No que diz respeito a outro tipo de plantas para formar maciços, evite as que se autosemeiam com facilidade e as muito invasoras.

Árvores em vaso que necessitem de pouca poda

Se quer reduzir os trabalhos no jardim, evite os arbustos que requerem poda regular. Existem espécies como o loureiro ou o medronho, que não requerem muito trabalho de poda, enquanto outras, como a camélia ou a azálea, necessitam poda extra de floração. Valorize a plantação de arbustos de vida curta que necessitam de ser substituídos ao fim de poucos anos e não cultive sebes formais. As sebes de Cupressus arizonica ou de buxo necessitam ser bem podados para manter a silhueta bem recortada, o que obriga a estar frequentemente de tesoura na mão. Pode deixar crescer livremente as sebes informais.

Mulching e rega automática

O mulching apresenta numerosas vantagens. Protege a terra do vento e do frio, conserva a humidade, evita a evaporação e minimiza o aparecimento de daninhas. Outra boa prática é utilizar a rega automática por gotejamento ou aspersão, dos sistemas localizados que administram água diretamente à planta. Se juntar adubos orgânicos ao solo, melhora a textura e a drenagem e aumenta a resistência ao calor, à seca e às pragas e doenças.

Reduza a superfície de relva

O relvado é um dos elementos naturais mais estéticos mas também o que mais cuidados e água necessita. Se não quer renunciar ao relvado mas também não é partidário de gastar tempo e dinheiro, reduza a superfície destinada à relva ou opte por uma solução artificial, à base de fibras que não necessitam rega, adubo ou cortes. Não é o mesmo que o relvado natural mas constitui uma opção a ter em conta no caso de pretender poupar.

Plantas fragrantes muito duradouras

Com plantas da época é necessário replantar em cada primavera e passado o outono ficam desnudadas e pouco estéticas durante os meses mais frios do ano. Cultive arbustos perenifólios como o loureiro real ou o buxo e consegue assim resolver o problema. Outra boa ideia é plantar coníferas anãs e aromáticas, que não requerem muita água nem outros cuidados.

artigo do parceiro:

Comentários