Como assegurar uma boa gestão da rega da relva

Os períodos de maior calor representam um desafio acrescido para a manutenção de áreas ajardinadas. Aprenda a interpretar os sinais de sede das superfícies relvadas

A rega permite dissolver adubos, facilitar a penetração dos fito-fármacos e tem o poder de baixar a temperatura das plantas. A sua gestão correta é essencial. Vamos atentar no tema gestão da rega no seu relvado, assunto especialmente pertinente uma vez que o fato de regarmos de forma excessiva, além de desperdiçar água, está também a contribuir para a lavagem do adubo, para a criação de condições de humidade favoráveis ao desenvolvimento de doenças e para a instalação de infestantes, assim como o favorecimento da população de mosquitos que sendo inócuos para a relva não o são para os seus fins de tarde no jardim.

A rega, que não é mais do que a interpretação humana para a vulgar chuva (precipitação atmosférica, em termos técnicos), destina-se em primeiro lugar a fornecer a água necessária ao crescimento da relva nos períodos de tempo seco. Além disso, a rega permite dissolver os adubos, facilitar a penetração dos fito-fármacos, assim como tem o poder de baixar a temperatura das plantas, permitindo-nos controlar o mecanismo que leva as relvas de inverno a entrarem em dormência no verão, para se protegerem dos danos causados pelas altas temperaturas.

Para conhecer alguns dos sistemas de gestão de rega que deve conhecer, clique aqui.

Sinais de sede

A quantidade de água consumida pela relva é função direta da temperatura. A rega deve permitir o fornecimento de água suficiente às plantas que compõem o seu relvado para compensar o que estas perdem por transpiração. Quando tal não acontece o seu relvado dá-lhe sinal, tanto mais rápido quanto maior for a capacidade intrínseca das espécies que compõem o seu relvado, de se protegerem e resistir à seca pela rápida entrada em dormência.

O primeiro sinal que a relva lhe dá que tem sede é o enrolamento das folhas, expondo a página inferior, as costas da folha. Este é o fenómeno que faz com que o seu relvado fique com manchas de um tom de verde mais escuro assim que a rega não é suficiente. Se as manchas não forem generalizadas a primeira atitude a tomar é verificar o funcionamento dos aspersores/pulverizadores responsáveis pela rega dessas zonas, tanto quanto a regulação, quanto a limpeza dos filtros.

Se estiver tudo a funcionar, então o mais provável é que estas manchas ocorram nas zonas mais afetadas pelo vento e/ou em zonas onde o recobrimento pelos vários aspersores/pulverizadores que se cruzam, é mais fraco. Nesse caso é aconselhável o aumento do tempo de rega, por forma a que o aumento da dotação de rega seja de dois milímetros, no ciclo de rega que estiver em funcionamento.

Veja na página seguinte: O que fazer se as manchas não começarem a desvanecer

Comentários