Abril astrológico

Análise Astrológica de Abril de 2017

Durante este mês de abril teremos muitos planetas em movimento retrógrado, alguns mantém este estado – Vénus e Júpiter - e outros iniciam – Mercúrio, Saturno e Plutão. E talvez seja importante reflectirmos sobre esta temática do “movimento retrógrado”, já que tão facilmente retira a paz de muitos e gera tanta apreensão a tantos mais. Como canta Ney Matogrosso “se correr o bicho pega, se ficar o bicho come”; portanto… não é por aí… mas talvez ajude compreender a mais valia presente no movimento retrógrado e “enfrentar o bicho de frente”. Em reflexão:

O movimento Directo está relacionado com o movimento de cronos, é a facilidade em exteriorizar a energia, em aplicá-la nos assuntos da vida mundana que estão directamente associados com a energia do arquétipo ou da função em causa. A aprendizagem ocorre na mesma mas os conteúdos das experiências estão, de certa forma, mais facilmente “manobráveis” e a sua simbologia é trabalhada através do exterior.

O movimento Retrógrado pretende fazer-nos regressar àquela parte da experiência que ficou incompreendida e armazenada algures no nosso inconsciente. É um movimento que pretende trabalhar a simbologia do arquétipo através do interior, pretende Remexer em conteúdo mais subjectivo que objectivo. Ele Transcende o mundo de Cronos (Saturno).

Poderíamos colocar as coisas desta maneira, o movimento directo mostra-nos um dos lados da vida, aquela que acontece fora, e o movimento retrogrado o outro lado, aquela que acontece dentro, os processos internos que estão na origem da vida “real”. Portanto, esta que acontece dentro é a que marca o que acontece fora. E se durante o movimento retrógrado tudo corre mal fora, ou menos bem, é porque alguma coisa tem que ser Revista dentro... Já a grande Lei do TAO nos diz: "tudo o que existe no Universo é uma manifestação de energia".

Na verdade, passamos mais tempo focados na qualidade do que se passa em "Directo", no exterior, na manifestação da energia e menos na sua Origem. Infelizmente é nesta ilusão de realidade que temos maior tendência a nos preocupar e valorizar em demasia procurando "fugir" ou "fingir" que o tempo em que os planetas estão retrógrados não existe e que eles irão passar depressa, basta conseguir contornar os prováveis infortúnios que possam ocorrer no mundo físico. Parece que passamos mais tempo a querer fugir deste volte-face, que é o mesmo que dizer, a querer fugir de nós mesmos, e a arranjar mil e uma maneiras para escapar ao nosso Re-flexo…e talvez seja à conta disto, exactamente, que precisamos de Re-encarnar inúmeras vezes para que possamos Rever as experiências das quais escolhemos fugir. E sem nos apercebermos, ou disso termos Consciência, mantemos a nossa Alma em movimento Retrógrado para Ruminar o que foi “mal digerido” em tantas encarnações. Revemos, Re-aprendemos para que, finalmente, um dia, passemos De-finitivamente, a Directo…

Como mensagem final antes de passarmos para a análise dos trânsitos deste mês: Não fugir dos Retrógrados (até porque pensar que isso é possível é uma ilusão). Permaneceremos divididos... Isto requer um esforço consciente para não nos fixarmos no medo (mais ligeiro ou profundo) da instabilidade externa que possa ocorrer durante o seu movimento. É bom termos a oportunidade de poder Ver com outra perspectiva, uma mais profunda e Real. O que deixou de "funcionar" externamente terá que ter explicação interna. Conseguir entender isso é aprender a compreender a vida a partir de dentro. Quando regressarem ao movimento Directo já teremos connosco a riqueza e a compreensão obtida durante o movimento Retrógrado para que, aí sim, possamos agir de forma mais Consciente no mundo de Cronos.

O que procura?

Comentários