Não consegue atingir o orgasmo?

Muitas mulheres sentem desejo e até prazer mas, depois, nunca conseguem chegar ao clímax. É o seu caso? Está na hora de saber se deve (ou não) procurar um terapeuta sexual!

Fala-se muito no tamanho do pénis masculino mas sabia que dois terços das mulheres atingem o orgasmo com recurso à estimulação manual e/ou oral? Apenas cerca de um terço o consegue só através da penetração, asseguram mesmo vários estudos internacionais desenvolvidos ao longo dos últimos anos. É descrito como o pico do prazer mas nem todas as mulheres o conseguem sentir da mesma forma ou regularidade.

«As definições do orgasmo feminino são díspares e há uma grande variedade na experiência de orgasmo entre diferentes mulheres e mesmo numa mesma mulher», sublinha Patrícia Pascoal, psicóloga clínica e terapeuta sexual. Contudo, «quando se sente que se demora muito tempo até atingir o orgasmo, este apresenta baixa frequência ou é inexistente», realça mesmo a especialista.

Esse está, no entanto, longe de ser o único problema, que se pode manifestar «ainda quando se sente diminuição da sua intensidade e qualquer um destes aspetos causa mal-estar e desconforto», sublinha Patrícia Pascoal. Nessa situação, caracteriza, estamos perante uma «perturbação do orgasmo feminino», como a define e caracteriza.

Terei um problema?

«A investigação tem demonstrado que as dificuldades em ter um orgasmo não se associam necessariamente a um mal-estar sexual ou a falta de satisfação com a vida sexual, ou seja o orgasmo é um fator importante para a satisfação sexual, mas este impacto é muito variável entre as mulheres», refere a terapeuta.

Um estudo da Sociedade de Obstetras e Ginecologistas do Canadá concluiu que «muitas mulheres gostam da proximidade e intimidade física do sexo e estão satisfeitas, mesmo que ainda não tenham experimentado o orgasmo ou que, algumas vezes, não o consigam atingir».

Quando procurar ajuda?

Se sentir que a sua vida sexual não está bem, nunca teve um orgasmo, tem dificuldade em atingi-lo ou sente que a sua intensidade se alterou e esses factos estão a afetar a sua relação e autoestima é importante agir. Nesse caso, é aconselhável «procurar ajuda junto de um especialista acreditado na área da sexologia clínica, com formação clínica sólida e ainda uma especialização em sexologia clínica».

Este é um passo importante já que «é necessário avaliar se há medicação ou alguma situação clínica que explique ou contribua para o problema para se poder definir o protocolo de intervenção adequado a cada situação», sublinha a especialista.

Os porquês da perturbação do orgasmo

Os mais comuns são:

- Ansiedade
- Depressão
- Stresse
- Dificuldades de comunicação
- Diferenças no desejo entre os elementos do casal
- Conflitos não resolvidos
- Expetativas demasiado elevadas peducação rigorosa
- Crenças negativas acerca da sexualidade
- Doenças (como, por exemplo, diabetes ou esclerose múltipla)
- Alterações hormonais
- Toma de certos medicamentos (como, por exemplo, antidepressivos)

Veja na página seguinte: 4 passos a percorrer até ao orgasmo

Comentários