As alterações hormonais que mais afetam o desejo sexual feminino

Em determinadas fases da vida, a predisposição das mulheres para o sexo é, naturalmente, menor. A sexóloga Vânia Beliz explica o fenómeno, que tem causas biológicas.

Sabia que a atividade hormonal influencia o seu estado de espírito, mas também a qualidade do sono, o apetite, a memória e até o desejo sexual? No caso das mulheres, em determinados períodos, as mudanças são muitas. Saiba, de seguida, de que forma as alterações hormonais afetam o desejo sexual feminino na gravidez, durante o ciclo menstrual, ao nível da contraceção e na menopausa.

Na gravidez

A diminuição do desejo surge especialmente no primeiro e segundo trimestre, assim como no pós-parto. «Durante o primeiro trimestre porque, inconscientemente, a mulher teme prejudicar o bebé e, no pós-parto, durante o período de amamentação devido à prolactina, altamente inibitória. O corpo exige que a mulher se  dedique ao bebé», explica a sexóloga Vânia Beliz.

Ciclo menstrual

Após a menstruação, a produção de estrogénio e de progesterona aumenta, o que leva muitas mulheres a sentir mais desejo entre o 12.º e 14.º dia do ciclo, «que corresponde ao nosso período fértil», sublinha ainda a sexóloga. A partir do 17.º, o desejo iminui porque os níveis de estrogénio diminuem e os sintomas da tensão pré-menstrual teimam em aparecer ao 22.º e 23.º dias.

Contraceção

«Muitas mulheres referem a a pílula como uma das causas para a perda de desejo», salienta Vânia Beliz. O mesmo pode  acontecer com alguns medicamentos, como é o caso dos antidepressivos.

Menopausa

Com o envelhecimento, algumas mulheres registam mudanças no desejo devido às alterações hormonais. «O aconselhamento especializado pode ser o suficiente para ultrapassar as dificuldades», recomenda a especialista.

Texto: Sónia Ramalho com Vânia Beliz (sexóloga)

artigo do parceiro:

Comentários