O que é inflação e como esta influencia a nossa vida

Na televisão, rádio, em conversa de amigos ou em casa certamente já ouviu a palavra inflação. Mas sabe mesmo o que esta significa e como influencia a nossa vida diária?

Trata-se de um fenómeno que resulta no aumento generalizado no preço dos bens e serviços. Esta é calculada através da análise de variação de preços de um cabaz de produtos que representam o consumo das famílias, o índice de preços do consumidor.

Sabia que existe mais do que um tipo de inflação?

Inflação Moderada: Acontece quando os preços sobem de forma lenta e se mantêm relativamente estáveis. O aumento dá-se na ordem dos 3% e é sempre menos que 10%.

Inflação Galopante: Dá-se o agravamento do preços de forma acelerada, sempre acima dos 10% e podendo ir até aos 300%. Por outras palavras, este tipo de inflação acontece quando a moeda perde e valor e é preciso mais dinheiro para comprar um determinado bem.

Hiperinflação: Acontece quando se dá uma subida descontrolada dos preços, sempre acima dos 50%.

Veja também: Fundo de Emergência: O que é, porque precisa de um e como construí-lo

Quando é que ocorre a inflação?

  1. Quando existe emissão exagerada de dinheiro por parte do governo. Sendo que este aumento da circulação da moeda não é acompanhado de um aumento da produção de bens;
  2. Quando existe mais procura ou consumo do que a capacidade de produção da região em causa;
  3. Quando existe um aumento dos custos de produção de um bem ou serviço.
Inflação versus Deflação

Tratando-se a inflação de uma subida dos preços das coisas, falar em deflação parece-nos uma coisa mais positiva, mas nem sempre é bem assim.

A deflação é a descida generalizada do preços dos bens e serviços, que se dá quando existe um adiamento constante dos consumidores para comprarem determinada coisa.

Assim, se por um lado a inflação reduz o poder de compra a deflação aumenta o poder de compra dos consumidores, por outro lado só revela bom num curto prazo. A longo prazo a deflação acabará por gerar queda dos salários e dos empregos, pois as empresas não têm rendimentos para suportar os custos.

artigo do parceiro:

Comentários