Até que idade gostaria de viver?

Mas o principal é saber como gostaria de viver

No outro dia, comentava com uma amiga, no ginásio que frequento, o seguinte: “Graças aos avanços tecnológicos e da ciência, o ser humano irá prolongar a sua existência, isto é, iremos viver mais anos que os nossos avós.”

A reacção dela foi imediata e peremptória: “Ó João, não sei se quero viver mais anos, porque isso pode implicar mais sofrimento e doenças. ”

A resposta à questão que coloco no início pode variar de pessoa para pessoa, mas na realidade não passam de meras suposições ou desejos. Por mais planos que façamos, nunca saberemos o que irá acontecer, daqui a uma hora, amanhã ou daqui a um mês. A questão permanecerá sempre um mistério. A dica desta semana não visa explorar o mistério do até quando gostávamos de viver, mas aborda o como é que vamos viver. A resposta ao como é que vamos viver é simples e inequívoca; com saúde - física, mental e espiritual.

Dois reputados cientistas estudaram o efeito do stress, a pressão e o impacto para a saúde, a que designaram «carga alostática» (McEwen e Stellar, 1993). A «carga alostática» implica a uma série de modificações (desgaste) geradas pelo organismo quando está sujeito a factores stressantes extrínsecos extremos. Isto é, durante quanto tempo é que conseguimos aguentar o desgaste do stress e a pressão do dia-a-dia a fim de evitarmos danos físicos, mentais e espirituais? Na maioria dos casos, levamos o corpo e a mente aos extremos, negando as consequências negativas, porque os problemas, as doenças e os acidentes só acontecem aos outros, incapacitando-nos de sermos realmente honestos connosco próprios.

continua na página seguinte

Comentários