Lúpus Eritematoso Sistémico. O que é e como se manifesta?

As explicações acerca desta doença auto-imune são do médico António Vilar, especialista em Reumatologia.
créditos: Pixabay

O Lúpus Eritematoso Sistémico (LES) é uma doença que ocorre com maior frequência em mulheres jovens em idade fértil e pode atingir vários órgãos. A pele, articulações, coração e rim são frequentemente afetados.

A designação abreviada de “Lupus” deriva do latim que significa “lobo” e isto pelo facto de alguns doentes apresentarem uma mancha avermelhada na face que cobre as rosetas e aparenta a expressão daqueles animais.

É uma doença multifatorial com expressão sistémica, isto é, pode afetar vários órgãos e sistemas como dissemos , pelo que os sintomas são muito variados ao longo do tempo e do tratamento. A frequência em Portugal foi estimada, pelo estudo epidemiologico da sociedade portuguesa de reumatologia, em 0,1% o que daria cerca de 10 000 doentes em Portugal.

Causas

As suas causas permanecem desconhecidas mas devem-se a uma interação complexa entre fatores genéticos, ambientais e hormonais que induzem uma desregulação do nosso sistema imunitário com produção de anticorpos que atacam os nossos órgãos.

É bem conhecida a frequência muito aumentada nas mulheres pré menopausa, mais reduzida na puberdade e após a menopausa. O efeito dos estrogenios e da prolactina explicam em parte os surtos e agravamento da doença na gravidez das mulheres com LES.

Alguns destes fenómenos são já conhecidos científicamente, como os que ocorrem com a radiação ultravioleta (UV) nos doentes com Lúpus, em que a exposição solar pode desencadear uma crise e até causar graves problemas de saúde.

Neste caso, até a exposição à luz UV das discotecas (a conhecida luz negra estrobóscopica) pode causar a conhecida “febre de sábado à noite” dos reumatologistas, assim chamada por poder ocorrer nos doentes com Lúpus após exposição prolongada aos UV nas discotecas.

Outros fatores ambientais conhecidos são alguns agentes infecciosos (particularmente vírus), o tabaco, alguns medicamentos e a exposição à silica.

Sobrevivência

A sobrevivência nos doentes com LES melhorou muito nos últimos 40 anos, mas mesmo
assim têm uma mortalidade duas a quatro vezes maior que a população geral.

No inicio da doença são as manifestações graves nos rins, sistema nervoso central e infeções a principal causa dos óbitos. Nas formas tardias são principalmente a toxicidade medicamentosa, as lesões de orgão e as tromboses.

Manifestações clínicas

Os sintomas e os sinais são muito diversos no inicio da doença colocando grande dificuldade no diagnóstico, já que ao poder afetar a pele, as articulações, o coração, os rins, o pulmão, o cerebro e até o intestino, acompanhado de manifestações gerais como fadiga, febre e até queda do cabelo pode percorrer várias especialidades.

As manifestações articulares são as mais frequentes e atingem principalmente as pequenas articulações, nas mãos, punhos e joelhos.

As manchas na pele podem ser tipicas como vimos na figura 1 ou dispersas no corpo, couro cabeludo ou ainda nas extremidades dedos e em redor das unhas (de pior significado).

A fadiga intensa, com ou sem febre ou a perda de peso estão habitualmente presentes. Alteração da cor do dedos em resposta ao frio conhecida como fenomeno de raynaud é muito evocadora do diagnóstico de LES.

Manifestações neurológicas como convulsões, acidente vascular cerebral e psiquiátricas como psicose ou comportamentais podem ocorrer. Pneumonia ou pleurisia podem aparecer no decurso da doença, assim como no coração, com inflamação de qualquer das suas estruturas (valvulas, pericárdio e musculo) ou das artérias coronárias.

Os sintomas do rim são tardios, em fase avançada da doença e já em insuficiência renal, devendo ser vigiados através da análise periódica da urina e em casos selecionados com biópsia renal.

O laboratório pode ser decisivo no inicio da doença evidenciando a presença de auto anticorpos especificos ou associados ao LES, permitindo avaliar a evoluçao e a resposta ao tratamento e ainda as complicações ,como no caso das infeções.

O tratamento

É muito individualizado e à medida de cada caso, das suas manifestações, dos órgãos afetados e do grau de lesão e compromisso da função. Assim os anti-inflamatórios nas manifestações gerais e articulares, os antipalúdicos também nas lesões cutaneas e os corticoesteroides em muitas lesões de órgãos são necessários.

Os medicamentos imunosupressores são hoje um complemento importante no controlo de
doença grave de orgão e no “poupar”da dose de corticoesteroides.

Uma palavra especial para a gravidez. O risco de uma mulher com LES ter um filho com a doença é muito baixo. Mais de 95% têm filhos sem esta patologia. Dito isto, é sabido que o Lúpus pode reativar ou agravar durante a gravidez, que o risco de parto prematuro é grande, bem como o risco neo natal, pelo que o planeamento familiar deve ter em conta a fase da doença daquela doente em concreto e os medicamentos que podem e devem ser mantidos durante a gravidez.

O prognóstico do LES é hoje muito diferente, mas devemos lembrar que no Lúpus a remissão é possível após 3 anos em cerca de 20% dos doentes, mas recaídas podem ocorrer mesmo após 10 anos de remissão. A vigilância não deve nunca terminar.

As explicações são do médico António Vilar, especialista em Reumatologia.

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários