Automedicação: qual o perigo para a saúde auditiva?

Quantas vezes já pediu sugestões a familiares ou amigos sobre que medicamento tomar em determinadas situações? Quantas vezes tomou um medicamento sem prescrição? A automedicação é vista como uma fonte de alívio imediato da dor, mas na verdade pode trazer consequências muito graves para a saúde.
créditos: SAPO Saúde

Para além dos riscos de intoxicação, de agravamento de doença ou até de comprometer a eficácia de outros tratamentos, a automedicação pode prejudicar gravemente a audição, uma vez que, segundo a American Speech-Language-Hearing Association (ASHA), existem atualmente mais de 200 medicamentos ototóxicos disponíveis no mercado e que podem ser adquiridos com ou sem prescrição médica.

De todos os fármacos, os antibióticos são os mais comuns e dos que apresentam consequências mais prejudiciais à saúde auditiva.

Há, de facto, uma grande variedade de medicamentos que podem causar lesões no ouvido humano, conhecidos como medicamentos ototóxicos, sendo esta uma das razões pela qual os médicos alertam para os riscos da automedicação: somente um especialista de saúde saberá considerar os riscos e os efeitos positivos que o medicamento trará em cada caso.

Sintomas e consequências

Os sintomas são diferentes de pessoa para pessoa e podem variar conforme o tipo de medicação, a dose utilizada, o tempo de tratamento, o estado de saúde do paciente, a idade e o uso simultâneo de outros medicamentos ototóxicos.

A ototoxicidade pode manifestar-se através da perda auditiva neurossensorial, temporária ou permanente, mas normalmente os primeiros sinais estão relacionados com a incapacidade de perceção de frequências altas e o aparecimento zumbidos no ouvido, que consequentemente afetam não só a audição como também a capacidade de falar, podendo ainda ocorrer episódios de desequilíbrio e vertigem.

Os medicamentos ototóxicos, não são indicados a mulheres grávidas, idosos ou portadores de perda auditiva prévia a menos que não existam outros fármacos disponíveis para tratar o problema.

Comentários