A avaliação psicológica nos procedimentos estéticos

Estudos dizem que expectativas irrealistas estão associadas a maior insatisfação
A colaboração do psicólogo com o cirurgião plástico tem como objectivo avaliar, mediante o tipo de intervenção solicitada, as características do paciente e como a deformidade é sentida por ele.



Com esta avaliação, feita preferencialmente antes da intervenção, é possível perceber as motivações dos pacientes, expectativas, personalidade e a capacidade de gerir o stress.



A parceria estabelecida entre o cirurgião e psicólogo contribui ainda, para determinar se existem pacientes mais susceptíveis de se tornarem insatisfeitos com os resultados das intervenções.



A avaliação psicológica revela-se crucial fundamentalmente por duas razões: 1) ajuda a perceber se as motivações pré-operatórias e as expectativas pós-operatórias são realistas e a intervir se houver algum desajustamento; 2) permite auscultar qual é o estado psicológico do paciente bem como a existência de alguma perturbação psicológica que seja contra-indicada à intervenção.



Na avaliação psicológica, a motivação para a cirurgia é um ponto de análise fulcral. Importa averiguar se a motivação é de natureza interna (por exemplo, submeter-se à cirurgia para melhorar a autoestima) ou externa (por exemplo, submeter à cirurgia para obter promoção no trabalho ou para agradar aos outros).




Comentários