Vitaminas análogas da vitamina B12

Vitaminas análogas da vitamina B12, também denominadas de pseudo vitaminas B12, são moléculas muito semelhantes à B12 do ponto de vista estrutural, mas que não estão ativas no corpo. Em vez disso, estas moléculas são muitas vezes prejudiciais para o organismo porque previnem ou inibem a absorção de formas ativas de vitamina B12.
créditos: pixabay

Até há poucos anos atrás, os cientistas não eram capazes de diferenciar os dois tipos de B12 (os ativos: biodisponíveis, ou os semelhantes prejudiciais) porque os testes disponíeis para esta finalidade não garantiam a precisão necessária. Hoje, através da a técnica de cromatografia em papel, são reveladas quantidades significativas de análogas da vitamina B12 em muitos alimentos. Esta descoberta tem “quebrado o mito” de certos alimentos que foram considerados antes excelentes fontes de vitamina B12, mas que, afinal, contêm na sua constituição formas análogas de B12.

Esta nota é especialmente importante para quem segue regimes veganos e vegetarianos, e para os quais recorrem a fontes vegetais para obter a vitamina B12. Até este momento, nenhuma fonte de vitamina B12 feita a partir de plantas foi certificado. Estes são os exemplos mais conhecidos de alimentos vegetais que contêm análogas da vitamina B12:

  • Spirulina (1)
  • Nori (2)
  • Miso (3)
  • Wakame (4)

Apesar desta descoberta, alguns destes alimentos ainda estão comercializados como contendo fontes de vitamina B12 vegetal. Ironicamente, uma dose elevada de análogas da vitamina B12 pode agravar a deficiência de vitamina B12. (5)

Quais são as análogas da vitamina B12?

A vitamina B12 (ou cobalamina) é uma molécula muito alargada, que interage e liga-se com outros grupos moleculares dentro da sua organização. Várias formas de B12 são formadas dependendo das moléculas que se ligam com a vitamina B12. Estes conjuntos podem explicar as diferentes denominações das várias formas de vitamina B12. A metilcobalamina, por exemplo, é o resultado de uma ligação entre a cobalamina e o metilo, e a  cianocobalamina é o resultado de uma montagem dos grupos ciano e cobalamina.

No organismo, a vitamina B12 atua como uma coenzima: uma molécula cuja função bioactiva é tornada possível por outras enzimas. No entanto, existem apenas duas formas de vitamina B12, que são coenzimas ativas no corpo.

Outras duas formas de cobalamina podem pode ser metabolizadas como bioativas pelo organismo: a cianocobalamina e a hidroxicobalamina. Elas não são diretamente ativas, mas são boas precursores para a formação de coenzimas bio-disponíveis.

Além dessas formas, existem outras formas de vitamina B12 que não são utilizadas pelo organismo. No entanto, todas estas moléculas pertencem ao grupo maior de moléculas chamado corrinóides, moléculas que, tal como a vitamina B12, têm um átomo de cobalto no centro da estrutura molecular.

Alguns destes corrinóides têm estruturas químicas muito semelhantes às da vitamina B12, mas não têm um papel fisiológico no organismo, ao contrário destas moléculas, que são mesmo prejudiciais. (6)

As análogas de B12 não só são inúteis, como prejudiciais

Formas análogas de vitamina B12 podem causar problemas do ponto de vista do nivelamento das vitaminas, mas também desenvolver interações negativas no corpo. De certa forma, eles enganam o organismo, que as confunde com formas biodisponíveis de B12. Estas pseudo-moléculas competem com a vitamina B12 ativa porque elas também se ligam com o transporte de moléculas que servem para assimilar a B12, bloqueando, assim, a absorção de formas ativas.

O número e a capacidade de transporte das moléculas são limitados, e a análoga da vitamina B12 ocupa o lugar de vitamina B12 ativa, comprometendo o processo de assimilação do corpo. Quanto maiores as quantidades de vitamina B12 no organismo, mais difícil é de retirar vantagem das moléculas ativas.

Vários estudos têm demonstrado que as formas semelhantes de B12 podem ligar-se a as moléculas de transporte responsáveis pela absorção de vitamina B12. Encontramos entre elas, o factor intrínseco, que é responsável pela absorção de vitamina B12 a partir da dieta, como os receptores correspondentes nas paredes do intestino delgado. (7)

Assim, pode-se dizer que análogas de B12 não são apenas inúteis, mas sim prejudiciais ao nosso corpo.

Formas análogas da vitamina B12 são tão semelhantes que enganam até os instrumentos de medição. Isto porque são indistinguíveis, pelo teste ao soro, com as formas ativas de B12. É por isso que os resultados deste tipo de testes pode esconder uma carência. Felizmente existem hoje outras análises para medir as lacunas com muito mais precisão (8-9), incluindo teste de urina MMA.

A vitamina B12 e análogas: difíceis de distinguir

Várias opções foram verificadas para medir o teor de vitamina B12 em uma amostra, mas quase nenhumas apresentam um esclarecimento real sobre a diferença entre as forma ativas e similares.

Apenas o método de cromatografia em papel oferece a possibilidade de saber exatamente se a vitamina B12 está presente ou se é uma molécula semelhante.

Exame de sangue e análogas da vitamina B12

Como o teste de soro B12 é baseado em um ensaio IF, não é nenhuma informação confiável sobre a proporção de B12 biologicamente utilizável, mas também mede alguns análogos B12.

Hoje, portanto, com a finalidade de tratar a deficiência de vitamina B12, pretende-se obter  informações confiáveis sobre a atividade da vitamina B12 real no corpo. O padrão-ouro é aqui o teste de urina MMA: somente se um nível de MMA nos alimentos diminui com sucesso, pode-se concluir com segurança que contém principalmente utilizável vitamina B12.

As fontes de vitamina B12 vegan e pseudo-vitamina B12

Como explicado acima, esta informação de análogas de B12 é particularmente relevante para as pessoas com uma dieta vegan e, portanto, à procura de um fontes vegetais confiáveis ​​de B12. Quase todas as fontes vegetais que se acredita conterem B12 contêm formas ativas principalmente semelhantes e não bio-disponíveis.

As conclusões sobre as algas são muito interessantes: eles relatam que as algas frescas, na verdade, contêm vitamina B12, mas depois de secas as moléculas medidas são apenas semelhantes (2). Por conseguinte, o processo de desidratação da planta parece causar uma reação química que danifica a vitamina B12.

A vitamina B12 não é produzida por plantas, mas por bactérias. O teor de vitamina B12 ou similar varia muito, dependendo da flora bacteriana da planta em questão. Esta fauna sensível pode variar muito de ano para ano. É por isso que os resultados dos estudos sobre o assunto assim fornecer resultados diferentes (10). Assim, por exemplo, incluindo o caso da clorela: de acordo com um estudo, 10 pesquisadores encontraram altos níveis de B12, enquanto que outro relatório científico estabelece 11 a zero resultados.

Até à data, nenhuma fonte vegetal de B12 foi encontrada ou, pelo menos, surge no teste MMA, marcador fiável da deficiência. Dito isso, os estudos clínicos a falhar em questões importantes, como a diferença de nível dentro de uma categoria de plantas de acordo com suas origens. No entanto, podemos dizer que hoje a existência de plantas como fontes confiáveis ​​de B12 são inexistentes ou desconhecida. Além disso, muitos pesquisadores cada vez alertam os consumidores contra os efeitos adversos da inibição da absorção de vitamina B12 ativa, os efeitos dos análogos de B12 incluindo de algas.

Possíveis fontes de vitamina B12, que não foram totalmente excluídas, pelos seus análogos teor de vitamina B12, são os seguintes algas: Clorela, Aphanizomenon flos-aquae, Dulse e Coccolithophorid. Outras algas contêm níveis excessivos de semelhante e, por conseguinte, resultam numa má absorção da vitamina B12 ativa.

Miguel Figueiredo
Medicina integrada Funcional/Coaching alimentar

Curso de alimentação saudável e funcional

Brahmi

Artigo adaptado do original de Dr. Jörg Schweikart

Referências
1. Watanabe F, Katsura H, Takenaka S, Fujita T, Abe K, Tamura Y, Nakatsuka T, Nakano Y. Pseudovitamin B(12) is the predominant cobamide of an algal health food, spirulina tablets. J Agric Food Chem. 1999 Nov;47(11):4736-41.
2. Yamada K, Yamada Y, Fukuda M, Yamada S. Bioavailability of dried asakusanori (porphyra tenera) as a source of Cobalamin (Vitamin B12). Int J Vitam Nutr Res. 1999 Nov;69(6):412-8
3. Treuesdell, D. D., Green, N. R. and Acosta, P. B. (1987), Vitamin B12 Activity in Miso and Tempeh. Journal of Food Science, 52: 493–494. doi: 10.1111/j.1365-2621.1987.tb06650.x
4. Yamada S, Shibata Y, Takayama M, Narita Y, Sugawara K, Fukuda M. Content and characteristics of vitamin B12 in some seaweeds. J Nutr Sci Vitaminol (Tokyo). 1996 Dec;42(6):497-505.
5. Dagnelie PC, van Staveren WA, van den Berg H. Vitamin B-12 from algae appears not to be bioavailable. Am J Clin Nutr. 1991;53:695-7.
6. Carmel R, Karnaze DS, Weiner JM. Neurologic abnormalities in cobalamin deficiency are associated with higher cobalamin ‘analogue’ values

artigo do parceiro: Susana Krauss

Comentários