Teff, o superalimento desconhecido que vai conquistar o mundo

Muitos famosos fanáticos por dietas saudáveis e equilibradas já se renderam a este cereal
Proveniente da Eritreia e Etiópia, a “nova quinoa” é a base da alimentação do povo desta região, considerado um dos mais pobres do mundo.



Este cereal, que tem uma forma pequena semelhante a pequenas sementes, é rico em cálcio, ferro, fibra e proteína e não contém glúten. Gwyneth Paltrow e Victoria Beckham são apenas algumas das fanáticas de alimentação correta que já descobriram os benefícios deste cereal.



O teff é resistente a climas rigorosos quentes e secos, mas também pode ser cultivado em solos alagados. É uma semente pequena com colorações variadas (do branco, ao vermelho ou marrom escuro). Os tipos mais claros possuem um sabor mais suave, mas todos são igualmente nutritivos.



O grão tem uma concentração elevada e variada de nutrientes: cálcio, ferro, cobre, alumínio, bário, fósforo e tiamina. É rico em carboidratos e a sua composição de ferro é facilmente absorvida pelo organismo.



Possui também um elevado teor de proteína. Acredita-se que tenha uma composição de aminoácidos excelente (todos os 8 aminoácidos essenciais para os seres humanos). Tem níveis de lisina mais elevados do que o trigo ou a cevada



Estimula a flora intestinal. Não contém glúten, pelo que é apropriado para aqueles com intolerância do glúten ou que sofram de doença celíaca.



Tradicionalmente, o Teff é usado na culinária da Etiópia e da Eritreia para a preparação de um tipo de pão, o injera.



Este artigo é da responsabilidade editorial do SAPO Saúde
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários