Universidade de Coimbra quer reforçar contributos para a segurança alimentar

Coimbra tem peritos neste setor e quer continuar a contribuir com tecnologia de ponta
16 de dezembro de 2013 - 14h40



A Universidade de Coimbra (UC) quer colocar uma tónica forte na segurança alimentar e na caracterização e certificação da atividade frutícola em Portugal, de forma a ajudar ao cumprimento daquilo que são as novas diretivas da União Europeia.



A UC e o Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV) assinam na terça-feira um protocolo de colaboração que, de acordo com nota da universidade, tem como objetivo estreitar as relações de cooperação e intercâmbio com o instituto conhecido por ser o laboratório de Estado do ministério da Agricultura e do Mar que desenvolve atividades de investigação nas áreas agronómica e veterinária.



Hoje, em declarações à agência Lusa, o vice-reitor da UC para a investigação, Amílcar Falcão, explicou que este protocolo será o início de uma relação de cooperação mais alargada, que pretende abordar, para já, três áreas fundamentais.



Em primeiro lugar, recordou, no apoio ao projeto já em curso, no polo II da UC, com a instalação de viveiros e produção e certificação de árvores de fruto.



Por outro lado, a UC e a INIAV vão igualmente colaborar, com a Câmara de Alcobaça, na criação de um laboratório vivo e frutícola, naquela região.



A UC e a INIAV vão igualmente colocar uma tónica forte na segurança alimentar.



A Universidade de Coimbra, recordou Amílcar Falcão, tem já peritos neste setor e quer continuar a contribuir com tecnologia de ponta e conhecimento para cumprir os requisitos da União Europeia, sobretudo naquilo que diz respeito aos quadros comunitários de 2014-2020, nos quais a segurança alimentar assume grande preponderância.



As regras comunitárias, sublinhou o vice-reitor, estão cada vez mais apertadas naquilo que são os objetivos da segurança alimentar, sendo por isso necessária uma certificação cada vez mais exigente dos produtos.



Por isso, defendeu ainda, os produtores portugueses devem estar atentos à qualidade dos seus produtos, de forma a certificarem aquilo que é genuinamente português, nomeadamente a fruta.



O protocolo entre as duas entidades será assinado às 15:00, na sala do Senado da UC. A cerimónia conta com a presença do secretário de Estado da Alimentação e da Investigação Alimentar, Nuno Vieira e Brito.



Lusa
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários