Um em cada quatro inquiridos em estudo da Deco vive em ansiedade devido à crise

Ansiedade, irritabilidade e dificuldade em adormecer provocadas sobretudo por problemas financeiros
30 de outubro de 2013 - 16h52



Um em cada quatro inquiridos num estudo da Deco vive em estado de ansiedade, devido aos efeitos da crise, e 54% confessam que um dos seus “maiores medos” é o de não conseguir atender às necessidades básicas da família.



“As consequências negativas da crise financeira não são apenas materiais, mas também psicológicas e muitas vezes difíceis de combater”, refere o inquérito publicado na edição de novembro da revista Proteste, da associação para a Defesa do Consumidor (Deco).



O estudo foi realizado em Espanha, Itália e Bélgica e visou conhecer os hábitos e as dificuldades das famílias com despesas básicas (prestação da casa, alimentação, cuidados de saúde e educação) e analisar o impacto da conjuntura económico-financeira na qualidade de vida.



Para realizar o estudo, a associação de defesa do consumidor enviou questionários pelo correio e por “e-mail” a uma amostra aleatória da população, tendo recolhido 2.230 inquéritos válidos, em abril e maio.



Os efeitos dos problemas financeiros podem evidenciar-se em três sintomas mais comuns: ansiedade, irritabilidade e dificuldade em dormir.



Segundo o inquérito, quase metade dos portugueses vive em estado de ansiedade, um pouco à semelhança dos espanhóis, 21% apresentam sintomas de depressão e 17% têm problemas de sono.



O uso de calmantes para enfrentar “dias difíceis” tem uma “expressão significativa” em Portugal: no último ano foram utilizados por 33% dos inquiridos, tendo maior expressão nas famílias com menos posses, refere o estudo.



Em casos mais graves, em que a estabilidade foi abalada, por desemprego ou dívidas incomportáveis, “e a vida deixa de fazer sentido”, como verifica o estudo, um em cada 10 portugueses chega a pensar no suicídio, como única saída para os seus problemas.


Comentários