Um dador de sangue em cada 3.000 é portador do Vírus da Hepatite E em Inglaterra

A hepatite E pode ser contraída através de animais, alimentos ou água infetada, e transfusões

28 de julho de 2014 - 10h13

Um dador de sangue em cada 3.000 é portador, em Inglaterra, do vírus da Hepatite E que pode provocar doença do fígado, de acordo com um estudo que levanta a questão da introdução de exames de rotina para a transfusão sanguínea na Europa.

Publicado hoje na revista médica The Lancet, a propósito do Dia Mundial contra a Hepatite, o estudo baseou-se na análise sistemática de dadores de sangue e mostrou que 79 dadores, em 225 mil, estavam infetados por uma versão do vírus VHE, o genótipo 3, predominante nos países desenvolvidos.

A hepatite E pode ser contraída através de animais, alimentos ou água infetada, nomeadamente nos países em desenvolvimento, assim como através das transfusões sanguíneas.

Durante a gravidez, pode igualmente ocorrer a transmissão da infeção de mãe para filho.

O vírus foi transmitido em 18 de 43 doentes (42 por cento) que receberam produtos sanguíneos com resultados positivos aos testes, indicam os autores da investigação.

O médico Richard Tedder (da Saúde Pública, em Londres) e os seus colegas estimam que existam anualmente, em Inglaterra, entre 80 mil a 100 mil infeções pelo vírus E.

Uma frequência semelhante foi identificada na Suécia e na Alemanha, sugerindo que o vírus está espalhado no continente europeu.

A maior parte dos infetados recuperam sem tratamento. No entanto, o vírus pode ser perigoso, sobretudo para mulheres grávidas, imunodeprimidos (doentes oncológicos e transplantados, entre outros).

Em todo o mundo, estima-se que o número de infeções pelo vírus da hepatite E ascenda aos 20 milhões anuais.

Por Lusa

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários