Termas da Felgueira recebem cada vez mais crianças para tratamentos

O responsável das Termas da Felgueira, Adriano Ramos, disse esta segunda-feira que há cada vez mais crianças a fazerem tratamentos para as vias respiratórias em termas, registando-se uma maior prevalência entre os 4 e 12 anos.
créditos: AFP

"Tem havido um grande aumento de crianças a fazer tratamentos em termas, talvez pela maior incidência de um certo tipo de patologias como as alergias e as asmas brônquicas. Sentimos que há cada vez mais crianças a procurar estas terapias porque não têm contraindicações", explicou.

Em declarações à agência Lusa, o responsável pela estância termal do concelho de Nelas, no distrito de Viseu, sublinhou que os efeitos dos tratamentos com água mineral são seguros: não provocam sono e não agridem outro órgão.

"Sempre tivemos uma atenção especial para o termalismo pediátrico - entre o um ano e os 18 anos - que é uma das nossas apostas. Temos uma sala específica para tratar as vias respiratórias de crianças, com técnicas que usamos especificamente nestas idades", informou.

Adriano Ramos destacou a insuflação tubo-timpânica, "uma técnica médica, aplicada por um médico, que é usada sobretudo nas situações de otites crónicas ou de repetição, e que tem efeitos excelentes".

"Essa é uma das razões de sermos muito procurados por crianças. Somos líderes em Portugal no segmento pediátrico: cerca de 25 por cento das crianças que fazem tratamento em termas fazem-no nas Caldas da Felgueira", avançou.

Para além dessa técnica, as Termas da Felgueira dispõem de "uma outra técnica que também é muito apreciada pelos meninos: a nebulização coletiva".

"Esta técnica consiste numa grande câmara de vapor de água mineral, que aproveita toda a mineralização da água. Não é um banho turco, saliento bem a diferença, pois no banho turco o vapor é feito por evaporação, enquanto na nebulização coletiva o vapor é água mineral pulverizada", explicou.

Por ano, passam pelas Termas da Felgueira "entre 900 a mil crianças", num universo de mais de 4.500 aquistas com estadia mínima de sete dias.

Comentários