Tabaco matou 10.600 pessoas em Portugal em 2012

Nova lei do tabaco vai proibir fumar em todos os espaços públicos fechados

18 de novembro de 2013 - 16h12

Mais de 10 mil pessoas morreram em Portugal no ano passado devido ao tabaco, o que corresponde a cerca de 10% da mortalidade global na população com mais de 30 anos, segundo dados da Direção-Geral da Saúde (DGS).

A região do Alentejo era, em 2011, a que tinha uma mais elevada taxa de mortalidade por doenças associadas ao tabaco, de acordo com uma nota hoje divulgada sobre o relatório “Portugal – Prevenção e Controlo do Tabagismo em Números”, que será apresentado na terça-feira em Lisboa.

Na União Europeia, o tabaco mata, por ano, cerca de 700 mil pessoas, estimando-se que em Portugal tenha sido responsável por 10.600 mortes em 2012, cerca de 28 pessoas por dia.

Segundo a DGS, a esmagadora maioria (mais de 90%) dos portugueses começa a fumar antes dos 25 anos, com oito em cada 10 fumadores a iniciarem o consumo pela influência dos amigos.

Embora num horizonte de 10 anos, entre 2001 e 2011, a experimentação do tabaco entre os adolescentes pareça ter diminuído, entre 2006 e 2011 registou-se uma subida da percentagem de adolescentes que já experimentaram fumar, que o fizeram no último ano ou nos últimos 30 dias.

No Alentejo, a região que em 2011 tinha maior taxa de mortalidade associada ao tabaco, cerca de 70% dos alunos do ensino secundário já experimentaram fumar.

Em Lisboa e Vale do Tejo, no Alentejo e no Algarve a experiência com o tabaco é mais elevada nas raparigas do que nos rapazes do terceiro ciclo e secundário.

A nota da DGS recorda que, segundo o último Inquérito Nacional de Saúde (2005/2006), 20 por cento dos inquiridos eram fumadores, dentro da população com mais de 15 anos.

Comentários