Sem boa saúde mental não há recuperação económica, defendem psicólogos

Crianças são futuro da sociedade, desenvolver a sua criatividade é fator chave, alerta especialista
18 de julho de 2013 - 10h20



O presidente da Associação Internacional de Psicologia Escolar, Jurg Forster, defendeu hoje a importância do papel dos psicólogos escolares e lembrou que “não há recuperação económica sem uma boa saúde mental”.



“Em tempos de crise económica e de cortes orçamentais, a necessidade dos serviços de psicologia escolar é questionada por muitos políticos que ainda não perceberam que não há recuperação económica sem uma boa saúde mental”, frisou o presidente da International School Psychology Association (ISPA).



Jurg Forster falava no Porto, na cerimónia de abertura da 35.ª edição da conferência da International School Psychology Association (ISPA), dedicada ao tema da psicologia escolar e da associação entre a criatividade e as necessidades das crianças.



O presidente da ISPA salientou como “as crianças são o futuro das nossas sociedades”, pelo que desenvolver a sua criatividade é um fator chave para a educação”. E aí os “psicólogos escolares podem aí ter um papel importante”.



Também o bastonário da Ordem dos Psicólogos Portugueses (OPP) defendeu hoje, na conferência, que a psicologia escolar é importante para o desenvolvimento da criatividade nas crianças que assim se tornarão adultos com melhores competências.



“Está claro na nossa sociedade que muitas das velhas soluções já não funcionam. É crucial desenvolver formas criativas de resolver problemas, permitindo uma maior flexibilidade, recusando modelos únicos, adaptando a realidades diferentes, encontrando soluções locais e promovendo uma maior participação dos cidadãos”, afirmou Telmo Marinho Batista.



Segundo o bastonário, a estimulação da criatividade em crianças pelos psicólogos torna-se relevante por permitir uma maior “diversidade na busca de soluções”.



“As competências sociais são da maior importância durante o crescimento e definição das crianças. As competências comunicacionais, trabalho em grupo, são algumas das áreas em que a psicologia pode contribuir e são decisivas na sua participação enquanto cidadão adulto”, explicou.



O responsável defendeu que “num mundo de recursos limitados” é preciso “demonstrar que a intervenção psicológica faz sentido e é a melhor escolha”.



Lusa
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários