Risco "extremo e "muito alto" de exposição à radiação UV em todo o país

IPMA prevê para hoje no continente céu geralmente limpo
25 de junho de 2013 - 09h30



Todo o território nacional apresenta hoje risco “extremo” e “muito alto” de exposição à radiação ultravioleta (UV), de acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).



Em risco “extremo” de exposição à radiação UV estão as regiões das Penhas Douradas, Porto Santo, Funchal e Ponta Delgada.



Em casos de risco “extremo”, o IPMA aconselha, na sua página na Internet, que se evite o mais possível a exposição ao Sol.



O IPMA informa também que o resto do país apresenta um risco “muito alto” de exposição à radiação UV, aconselhando a utilização de óculos de sol com filtro UV, chapéu, t-shirt, guarda-sol e protetor solar, sublinhando igualmente que se deve evitar a exposição das crianças ao sol.



A radiação ultravioleta pode causar graves prejuízos para a saúde se o nível exceder os limites de segurança, segundo o IPMA.



O índice desta radiação apresenta cinco níveis, entre o “baixo” e o “extremo”, sendo o máximo o 11.



Os níveis "extremo" e "muito alto" surgem num dia em que o IPMA colocou sob aviso amarelo, o segundo menos grave de uma escala de quatro, sete distritos do continente e a costa norte da Madeira devido à persistência de valores elevados da temperatura máxima.



O IPMA prevê para hoje no continente céu geralmente limpo, vento fraco a moderado do predominando do quadrante leste, rodando para noroeste no litoral oeste durante a tarde, sendo temporariamente moderado a forte de nordeste nas terras altas e pequena subida da temperatura máxima nas regiões corte e centro.



Na Madeira prevê-se céu pouco nublado e vento fraco e nos Açores a previsão aponta para períodos de céu muito nublado e vento moderado.



Quanto às temperaturas, em Lisboa prevê-se uma máxima de 37 graus Celsius, Évora e Beja 38, Faro 28, Porto 31, Castelo Branco, Braga e Portalegre 35, Funchal 25, Ponta Delgada e Angra do Heroísmo 23 e Santa Cruz das Flores 24.



Lusa
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários