Resistência a antibióticos poderá conduzir Medicina à "Idade Média", alerta David Cameron

O aumento da resistência das bactérias a antibióticos mata 30 mil pessoas por ano na Europa

3 de julho de 2014 - 10h11



O mundo poderá regressar à "Idade Média da medicina" caso não sejam tomadas medidas para enfrentar a crescente resistência aos antibióticos, disse o primeiro-ministro britânico, David Cameron.



"Se não agirmos, a perspetiva é de um cenário quase impensável em que os antibióticos não funcionam mais. Voltaremos à Idade Média da medicina, em que as infeções e lesões tratáveis matam", afirmou, citado pela BBC.



David Cameron avançou que o tema foi discutido no início do mês numa reunião de líderes do G7, em Bruxelas, com o apoio específico do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e da chanceler alemã, Angela Merkel.



"A penicilina foi uma grande invenção britânica de Alexander Fleming em 1928", lembrou Cameron, acrescentado que seria bom que "o Reino Unido tomasse a liderança nesta questão para resolver o que poderá ser realmente um grave problema de saúde global".



Segundo o político britânico, o grupo de análise que deverá ser formado debaterá três questões fundamentais: o aumento de bactérias resistentes aos medicamentos, a "falha do mercado" em apresentar novos tipos de antibióticos nos últimos 25 anos e o uso exagerado de antibióticos globalmente.



Estima-se que o aumento da resistência das bactérias a antibióticos seja responsável por 30 mil mortes na Europa todos os anos.



A diretora geral de Saúde do Reino Unido, a professora Sally Davies, descreve a crescente resistência aos antibióticos como uma "bomba-relógio". "Estou muito contente por ver o primeiro-ministro [britânico] a assumir a liderança global [nesta discussão]" disse.



Por SAPO Saúde

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários