Reforço dos psicólogos nas escolas poderia render milhões ao Estado

A Ordem dos Psicólogos Portugueses (OPP) defendeu esta quarta-feira que o reforço da saúde psicológica nas escolas origina “retornos económicos elevados" que podem atingir os 812 milhões de euros.

Os números da OPP baseiam-se em estudos internacionais que acompanham os estudantes ao longo do seu percurso até chegar à vida ativa, segundo os quais por cada 7,83 euros investidos por aluno o retorno é de 180 euros.

Os estudos apontam ainda que se o investimento for superior, cerca de 25,68 euros por aluno, o benefício pode atingir os 660,51 euros e traduzir-se num retorno que poderá atingir os 812 milhões de euros.

A Ordem dos Psicólogos explicou à agência Lusa que chegou a estes números com base no universo de alunos portugueses que frequentam o ensino básico e secundário nas escolas públicas.

Tendo em conta que existem em Portugal cerca de 1.280.000 alunos no ensino básico e secundário nas escolas públicas, "concluímos que podiam ser obtidos ganhos elevados com a implementação de programas de prevenção e promoção da saúde psicológica nas escolas”.

Apesar de não haver estudos em Portugal sobre esta matéria, há um conjunto de indicadores - taxa de reprovações, elevado abandono escolar, baixas qualificações dos trabalhadores e os níveis de salários que auferem - que corrobora “o imenso retorno que teria um investimento precoce nestas áreas em Portugal”, sublinhou a ordem.

“A reprovação de um aluno no ensino público (no básico e no secundário) custa cerca de 4.000 euros”, se reprovarem 120 a 130 mil estudantes, como aconteceu em 2014, são 500 milhões de euros anuais, só em custos diretos, exemplificou.

Comentários