Rede nacional de reabilitação já está completa, garante ministro

Centro de Reabilitação do Norte vai chegar às 100 camas de internamento
26 de fevereiro de 2014 - 08h50



A rede nacional de reabilitação está completa. Dois meses depois de ter aberto as portas, o Centro de Reabilitação do Norte (CRN), em Gaia – um equipamento de topo na “diferenciação tecnológica e qualidade profissional" –, foi inaugurado, na terça-feira, contando atualmente com cerca de três dezenas de doentes internados.



Na sessão que assinalou a inauguração, o ministro da Saúde, Paulo Macedo, revelou que o centro vai chegar às 100 camas de internamento. “Queremos que os ginásios fiquem a funcionar em pleno. Assim, fica completada a rede de centros de reabilitação do país com um equipamento que vai servir muito bem o Norte pela sua diferenciação tecnológica e qualidade profissional", sublinhou Paulo Macedo.



A gestão do centro de reabilitação, uma iniciativa lançada pelo Governo do PS, foi entregue à Santa Casa da Misericórdia do Porto, estando prevista a transferência de 27,6 milhões de euros para o efeito.



Mas o Centro de Reabilitação do Norte, localizado nas antigas instalações do sanatório de Valadares, concelho de Gaia, tem estado envolto em polémica por estar pronto desde julho de 2012, depois de a obra ter sido lançada em junho de 2010 pela então ministra da Saúde, Ana Jorge.



A empreitada apresentava então um custo previsto de cerca de 32 milhões de euros e deveria estar concluída em "22 a 24 meses". O equipamento ficou pronto mas encerrado no início do verão de 2013.



À margem da sessão de inauguração, Paulo Macedo não quis comentar este historial, preferindo destacar que "mesmo num tempo de emergência nacional, de seis em seis meses tem sido possível inaugurar um equipamento de grande significado".



O ministro da Saúde destacou os hospitais de Loures, Vila Franca de Xira, Lamego, Amarante bem como o Centro de Reabilitação do Norte, e anunciou que vão ser inaugurados "nos próximos meses" o Centro Materno-Infantil do Norte e o hospital da Guarda.



O ministro referiu ainda que, em 2013, foram feitas na região Norte do país 95 mil consultas de medicina física, pelo que, sublinhou, "não é difícil compreender o consenso geral em torno deste centro".



SAPO Saúde com Lusa
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários