Quem tem excesso de peso deve encarar doença e ter ajuda profissional

A motivação para alterar de estilo de vida é baixa entre aqueles que têm excesso de peso, uma doença que exige ajuda médica e informação, mas ainda é pouco valorizada, mesmo entre profissionais, defendeu hoje uma especialista.
créditos: AFP; VANDERLEI ALMEIDA

"As pessoas têm de perceber que a obesidade e excesso de peso é uma doença", afirmou a coordenadora do programa Peso da Saúde, Ana Macedo, e exemplifica: "quando uma pessoa tem diabetes não tem dúvida de que tem de ir ao médico, vigiar a doença e tomar os medicamentos".

Em Portugal, somente um em cada 10 obesos tem consciência do seu peso.

No entanto, quando a pessoa tem excesso de peso ou obesidade "acha que grande parte da culpa é sua", depois os médicos "valorizam isto pouco e, muitas vezes não sabem como abordar o assunto e as pessoas acham que isto se resolve sozinho", referiu.

O programa Peso e Saúde percorreu mais de 20 praias do país, incluindo os Açores, apelando à participação de voluntários e cerca de mil tiveram a sua composição corporal avaliada, ao mesmo tempo que recebiam uma explicação sobre a caracterização do seu peso e respondiam a algumas questões.

No final, foram retiradas algumas conclusões e a médica apontou que "à pergunta se estavam dispostas a mudar o seu estilo de vida, a motivação é muito baixa", já que menos de metade das pessoas diz estar motivada.

Falta de vontade

Este assunto "não se resolve de outra maneira", por isso, a especialista transmitiu a sua preocupação e defendeu ser necessário começar por motivar os portugueses.

"Apesar de tudo, hoje temos fármacos eficazes para tratar doenças [como diabetes ou hipertensão] e não temos uma oferta muito específica e eficaz no que à obesidade diz respeito, temos muitas, mas todas elas carecem, antes de mais, de um compromisso da pessoa numa coisa que é muito difícil que é mudar hábitos", alertou a coordenadora do programa.

Comentários