Projeto pioneiro vai vigiar saúde dos habitantes de aldeia do Sabugal

Estudo pode ser ainda alargada a Espanha
14 de abril de 2014 - 08h22



Investigadores da Beira Interior estão a desenvolver um projeto pioneiro junto da população da freguesia de Casteleiro, Sabugal, que vai permitir acompanhar a saúde dos habitantes e disponibilizar uma base de dados para trabalhos científicos.



O projeto de aplicação do SVD - Sistema de Vigilância Demográfica ("coorte" de base populacional) junto dos cerca de 400 habitantes da aldeia é promovido pelo Centro de Investigação e Desenvolvimento da Beira (CIDB), liderado por João Luís Baptista, professor na Universidade da Beira Interior (UBI), na Covilhã.



O estudo também envolve a Unidade Local de Saúde da Guarda, a Direção Geral de Saúde, a Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal e o Centro de Investigação em Saúde Comunitária, entre outras entidades.



A aplicação do SVD inclui o levantamento demográfico, da pré-diabetes, da doença pulmonar obstrutiva crónica e de indicadores do ambiente, além do perfil de saúde dos habitantes da freguesia.



"Este é um estudo longitudinal, único na Europa, tanto quanto temos tido conhecimento, que vai fazer um inquérito às pessoas sobre várias temáticas e essas pessoas vão ser seguidas ao longo do tempo", explicou João Luís Baptista à agência Lusa.



O responsável indicou que na primeira fase dos trabalhos é realizado um inquérito, porta a porta, que inclui a georreferenciação das casas e a anotação de informações sobre a saúde de quem lá habita.



Também é recolhido "algum material biológico" das pessoas, "que é mantido na UBI".



"A ideia é criar uma base de dados que sirva para os investigadores utilizarem", explicou, indicando que os primeiros resultados do estudo poderão surgir dentro de dois meses.





O inquérito no Casteleiro, realizado com a colaboração de quatro alunos da Faculdade de Medicina da UBI, que recolhem os dados junto da população, deve ficar concluído dentro de um mês.



Diogo Lopes, estudante do 2.º ano do curso de Medicina, considera que colaborar no projeto é "enriquecedor" e "uma mais-valia" para o futuro.



O estudo também permite atuar no presente, pois durante o trabalho de campo foi detetado o "caso extremo" de um doente com diabetes que foi encaminhado para o hospital.



Os habitantes estão a colaborar com os investigadores, havendo apenas registo de duas recusas.



Rosa Martins, de 72 anos, reconhece que a iniciativa é "bastante importante", porque a aldeia "tem pessoas muito envelhecidas e, assim, ficam a saber o estado de saúde em que elas se encontram".



Já Vitorino Fortuna, de 58 anos, diz tratar-se de "uma mais-valia", dado que "há falta de médicos" no interior do país.



"Considerando que esta é uma freguesia envelhecida, é interessante sabermos e podermos vir a ter uma radiografia do estado da saúde da nossa população", observou o presidente da Junta, António Marques.



Os investigadores pretendem fazer o mesmo estudo numa zona urbana, estando já decidido que será realizado na cidade da Guarda. O estudo pode ser ainda alargado a Espanha, admite fonte ligada ao projeto.



"O estudo pode não ficar por aqui. Temos algumas diligências feitas em Espanha, na Junta de Castilla e Léon, [com] uma fundação, que está também interessada neste projeto e em apoiar iniciativas transfronteiriças", disse hoje à agência Lusa Vasco Lino, presidente da Unidade Local de Saúde (ULS) da Guarda.



Lusa

Comentários