Portugueses criam robô que pode revolucionar tratamento das deformidades faciais

Aparelho permite tratamento menos invasivo

21 de janeiro de 2013 - 09h55



O pequeno robô é um distrator mandibular robotizado que permite cirurgias mais rápidas, menos invasivas e com menos efeitos secundários. O método vai ser aplicado a título experimental em humanos, após ensaios com animais.



Os investigadores da Universidade de Coimbra envolvidos no projeto pretendem “revolucionar” a correção de deformidades faciais com este aparelho, realizando os tratamentos de forma mais rápida e em ambulatório, anunciou a instituição de ensino.



“Semelhante a um pequeno parafuso”, o novo distrator “vai revolucionar o tratamento de deformidades faciais, principalmente as que estão associadas ao chamado retrognatismo mandibular, caracterizado pela falta de desenvolvimento do maxilar inferior, dando ao paciente a aparência de queixo pequeno, face convexa e região nasal proeminente”, refere uma nota de imprensa.



A colocação do “micro-robô” implica “uma cirurgia que pode ser feita em ambulatório”, salienta o ortodontista Francisco do Vale, da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, um dos quatro investigadores responsáveis pelo aparelho.



Além de Francisco do Vale e do físico Francisco Caramelo, da mesma faculdade, integram a equipa de investigação Germano Veiga, engenheiro mecânico com especialização em robótica, e Miguel Amaral, engenheiro biomédico, ambos da Faculdade de Ciências e Tecnologia da mesma Universidade.



Trata-se de “um dispositivo médico que permite fazer um alongamento do osso muito progressivo”, explicou Francisco do Vale, que adiantou que este distrator “não é tão invasivo” como outros sistemas convencionais e que pode ser aplicado “quer por motivos estéticos, quer funcionais”.



O dispositivo “vai corrigir o maxilar, permitindo também o tratamento de situações mais leves”, e pode ser aplicado em crianças e adolescentes, acrescentou.

Atualmente o tratamento obriga à realização de duas cirurgias para a colocação e remoção dos dispositivos convencionais, com um período incapacitante alargado e que obriga à ativação manual do dispositivo duas vezes por dia.



A nova solução, já com patente provisória, “assenta numa microtecnologia única, minimamente invasiva, sem necessidade de anestesia geral e capaz de provocar a distração óssea autonomamente, evitando assim o internamento”, descreve o comunicado.



“Colocado nos dentes e não no osso da mandíbula, o distrator é equipado com comunicação sem fios, que possibilita a sua programação e monitorização remotas, em tempo real, e minimiza os cuidados médicos diários”.



SAPO Saúde
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários