Portugueses com doença incurável receiam ser "fardo para a família"

Projeto 'PRISMA' é o nome que assina este estudo europeu

A maioria dos portugueses com doença incurável receia ser "fardo para a família", o que implicará "repensar a situação do Estado Social", defende um investigador de Coimbra que participou num estudo internacional nesta área.

Esta investigação de âmbito europeu, em que participou a Universidade de Coimbra (UC), revela que, além da dor, “um dos maiores receios dos portugueses” com doença incurável ou em fase terminal “é constituírem um fardo para a família”.

“A dor é o seu maior receio, mas estas pessoas também não querem ser um fardo para outras”, declarou hoje à agência Lusa o investigador Pedro Ferreira, docente da Faculdade de Economia da UC e coordenador da equipa portuguesa envolvida no estudo.

Na sua opinião, os resultados evidenciam que “é necessário repensar a situação do Estado Social” em Portugal, “em particular os cuidados de final de vida”.

“Muitas pessoas ignoram o que são os cuidados paliativos ou como beneficiar deles. Portugal ainda está na infância dos cuidados continuados integrados, embora, apesar disso, esteja a caminhar bem”, segundo Pedro Ferreira.

Liderado pelo King’s College, através da investigadora portuguesa Bárbara Gomes, o projeto “PRISMA” contou com a participação do Centro de Estudos e Investigação em Saúde da Universidade de Coimbra.

Portugal foi ainda um dos países com menor percentagem de pessoas que indicaram preferir morrer em casa (51 por cento).

No entanto, esta média é geralmente superior na União Europeia (UE). A Holanda lidera neste ponto, com mais de 80 por cento dos inquiridos a afirmarem que preferem morrer na sua residência.

“De uma forma geral, dois terços dos cidadãos europeus preferem que os últimos momentos da sua vida sejam em casa”, afirmou Pedro Ferreira.

Financiado pela Comissão Europeia, com o objetivo de “obter regras de boas práticas e harmonizar a investigação relacionada com os cuidados de fim de vida para doentes oncológicos na Europa”, o “PRISMA” foi desenvolvido em oito países da UE: Portugal, Reino Unido, Alemanha, Bélgica, Holanda, Espanha e Itália e replicado parcialmente no Uganda (África).

“O estudo deverá influenciar e alterar as decisões políticas para a melhoria da qualidade de vida das pessoas com doença incurável, com esperança de vida inferior a um ano, e os doentes terminais”, disse.

Para ajudar à concretização deste objetivo, vai ser editado um guia para profissionais da saúde, “com indicações sobre avaliação de sintomas e as melhores práticas para a melhoria da qualidade de vida destes doentes”, refere uma nota da assessoria de imprensa da Reitoria da UC.

O guia foi produzido por um grupo de trabalho liderado pelo Centro de Estudos e Investigação em Saúde da Universidade de Coimbra.

24 de maio de 2011

Fonte: Lusa/SAPO

Comentários