Poluição do ar da indústria abaixo da média europeia, mas afeta saúde e economia

A Quercus defende que o custo da poluição do ar pelas indústrias portuguesas está abaixo dos valores europeus, mas é "bastante significativo", porque afeta a saúde e representa prejuízos para a economia.

"Comparativamente a outros Estados-membros são valores que estão muito abaixo, porque [as instalações industriais portuguesas], ao longo dos anos, têm vindo a desenvolver os seus processos e a melhorar a eficiência", disse à agência Lusa Mafalda Sousa, da Quercus.

O valor total para os custos da poluição atmosférica em Portugal "está entre 3,3 mil milhões de euros e 6,6 mil milhões, um valor bastante significativo se pensarmos que está relacionado com impactos na saúde" e que representa "prejuízo para a economia portuguesa e para os sistemas de saúde", acrescentou.

A ambientalista comentava o relatório da Agência Europeia do Ambiente (AEA), divulgado segunda-feira, ao final da noite, a concluir que os custos da poluição pelas unidades portuguesas poderão ter ficado em mais de três mil milhões de euros, entre 2008 e 2012, enquanto no total da Europa poderá ter chegado a um milhão de milhões (um bilião) de euros.

O relatório sobre custos da poluição do ar por instalações industriais na Europa analisa 14.325 unidades, incluindo perto de 350 portuguesas, e abrange instalações do setor de produção de energia elétrica, mas também extração e processamento de combustíveis fósseis, por exemplo.

O documento "mostra que os custos associados à poluição atmosférica, entre 2008 e 2012, se situam entre 329 mil milhões de euros e um bilião [um milhão de milhões] de euros em toda a Europa", apontou Mafalda Sousa.

Para a ambientalista, este é "um número muito significativo, porque representa os custos associados, por exemplo, a mortes prematuras, a idas ao hospital ou centros de saúde, dias de trabalho perdidos, outros problemas associados como as alergias respiratórias, asma, bronquite, prejuízos para as culturas agrícolas e danos nos edifícios".

Comentários