Passagem de Ano na Madeira: Surto de dengue levou a cancelamentos mas hotéis estão cheios

"O alarmismo foi-se reduzindo", diz responsável hoteleiro

Os hoteleiros da Madeira registam ocupações entre os 90 e os cem por cento na noite de fim de ano, um resultado superior ao esperado, depois dos cancelamentos iniciais de reservas por causa do surto de dengue.

"Estava com um pouco de medo que houvessem mais cancelamentos por causa do problema da dengue, porque em novembro tivemos cancelamentos consideráveis, mas felizmente o problema esbateu-se um bocado e estamos cheios", disse à agência Lusa o diretor do Hotel Reid's, uma das mais importantes unidades de cinco estrelas do Funchal, com 120 anos de existência

Segundo Ulisses Marreiros, "o ano 2012 começou bem, depois houve uma quebra em março, sobretudo no mercado inglês, mas a partir de novembro houve um incremento bastante saudável", pelo que perspetiva "um bom primeiro trimestre em 2013".

"Temos uma ocupação de 100 por cento e este ano até fechamos mais cedo as reservas", referiu, declarando que este hotel vai manter a "tradição, estando aberto a toda a gente, à população local" naquele que é considerado o mais importante cartaz turístico da região e que tem o seu ponto alto com o espetáculo de fogo-de-artifício na baía do Funchal.

Ulisses Marreiros realça que a animação no hotel se intensifica a partir de hoje e "nos últimos três anos a noite do dia 30 tem vindo em crescendo para o Reid´s e os três restaurantes estão cheios".

Adianta que embora este hotel esteja conotado com hóspedes de mais idade, esta é uma das alturas do ano em que se verifica "uma mistura de gerações, reunindo avós, filhos e netos" e que existem casos de "hóspedes que vêm este ano pela terceira vez consecutiva para o fim de ano".

Também António Trindade, responsável do grupo Porto Bay, considera que "o alarme provocado pelo surto de dengue na Madeira, provocou alguns cancelamentos, mas a situação tem vindo a compor-se e o alarmismo foi-se reduzindo".

"Apesar de todos os constrangimentos, o grupo atingiu este ano sensivelmente os mesmos resultados finais do ano passado e no dia 31 de dezembro temos uma ocupação de 93 por cento, o que é ligeiramente abaixo da de 2011", disse.

O hoteleiro declara estar convencido que "se não fosse este problema o grupo teria ultrapassado os números de 2011 e chegaria aos 95% de ocupação", mencionando que o programa de fim de ano do grupo se destina "apenas a clientes" e mantém o figurino dos anos anteriores e apresenta como novidade a inclusão dos "animadores de rua que tocam no Funchal para integrar a animação do 'reveillon'".

Segundo os últimos números da secretaria regional da Cultura, Turismo e Transportes, a ocupação hoteleira no final de ano será de 78 por cento, mais 12 pontos percentuais que em 2011, que se situou nos 66%.

O espetáculo pirotécnico da passagem de ano na baía do Funchal, que já foi considerado "o melhor do mundo" e figura no Livro dos Recordes, terá este ano por tema "A Festa Madeirense" e durará oito minutos, sendo disparado a partir de 35 postos de fogo, menos cinco do que em 2011.

31 de dezembro de 2012

@Lusa

Comentários