Ordem diz que é preciso travar emigração dos médicos

A Ordem dos Médicos defendeu esta sexta-feira que é preciso melhorar as condições de contratação de clínicos reformados e travar a emigração de profissionais jovens para dar um médico de família a todos os portugueses, como prometeu o Governo.
créditos: TIAGO MARQUES/LUSA

A Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) anunciou na quinta-feira, num comunicado a que a agência Lusa teve acesso, a conclusão do processo de avaliação de 51 novos médicos de família, que serão distribuídos por 23 agrupamentos dos centros de saúde de todo o país.

Porém, o bastonário da Ordem dos Médicos (OM), José Manuel Silva, acredita que a maioria dos médicos já estaria no sistema, pelo que, na prática, não serão 51 novos médicos de família.

O Jornal de Notícias afirma hoje que o Governo abriu concurso para contratar 115 médicos de família, frisando que apenas 51 vagas foram preenchidas e que só 16 clínicos não estavam no Serviço Nacional de Saúde (SNS).

De acordo com os dados oficiais, entre estes 51 médicos, seis são espanhóis, o que para José Manuel Silva demonstra também que, apesar de ter sido aberto concurso em Espanha, Portugal não oferece condições atrativas de contratação.

“Em Portugal, os médicos estão muito mal pagos”, disse o responsável pela OM à agência Lusa.

Segundo José Manuel Silva, serão mais 1.700 a 1.800 utentes que receberão médico de família, com a medida agora anunciada, o que classificou de positivo, mas insuficiente.

Comentários